Infertilidade: hábitos que podem atrapalhar os planos de engravidar

Idade avançada e doenças do aparelho reprodutivo são as principais causas de infertilidade, mas práticas do dia a dia também podem comprometer as chances de uma gestação. 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a infertilidade alcança mais de 48 milhões de casais que desejam aumentar a família em todo o mundo. Além de tão frequente, as causas do problema são muito diversas. 

Nas mulheres, por exemplo, o maior fator é a idade. A passagem do tempo reduz a quantidade de óvulos. Alterações no sistema imune e ovário policístico também podem levar à dificuldade de engravidar. Enquanto isso, a endometriose representa cerca de 50% dos casos.  

“Vale ressaltar ainda que a ausência de ovulação é responsável por 25% das causas de infertilidade feminina. E cerca de 15% de todas as causas”, afirma o ginecologista Rodrigo da Rosa Filho. Por isso, é importante acompanhar o ciclo menstrual, principalmente quando é irregular.   

Já nos homens, o problema tem a ver, principalmente, com doenças como a varicocele, que alarga as veias dos testículos. Além disso, se relaciona com baixa qualidade do sêmen e infecções urogenitais. Por fim, hipogonadismo é outra causa comum. Isso significa que os testículos não produzem testosterona suficiente. Porém, esse é o principal hormônio sexual masculino. 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Mas existem outras condições – presentes na rotina de muitas pessoas – que causam infertilidade. Então, veja abaixo uma lista com os principais hábitos que podem prejudicar as suas chances de ter um filho. 

infertilidade
Imagem: reprodução / Pinterest

 

Dieta desbalanceada

Sem dúvida, você já sabe que a alimentação é essencial para manter a saúde em dia. É assim que o corpo recebe os nutrientes para funcionar de forma correta. E isso vale também no caso de engravidar. “A falta de vitaminas e minerais compromete o bom funcionamento do organismo. E pode causar infertilidade”, diz o médico. 

Além disso, alguns alimentos auxiliam na produção de hormônios envolvidos no processo. É o caso de peixes, ovos e sementes. Isso porque são ricos em itens como ômega-3 e selênio. Tais elementos atuam diretamente nos órgãos do aparelho reprodutor.

 

Estresse pode causar infertilidade

De acordo com Rodrigo, altos níveis de estresse podem reduzir as chances de um casal engravidar.  A razão é que essa agitação leva a processos fisiológicos que interferem na produção de hormônios importantes. “Ademais, no homem, favorece o surgimento de proteínas inflamatórias que prejudicam a qualidade do esperma.”

 

Tabagismo

Um dos maiores fatores da infertilidade é, de fato, o cigarro. O produto contém componentes tóxicos, como nicotina e alcatrão, por exemplo, que pioram a qualidade reprodutiva. No caso das mulheres, envelhece os óvulos em até dez anos e acelera o início da menopausa. “Ou seja, é muito prejudicial hoje em dia, porque as mulheres querem engravidar cada vez mais tarde.” 

Ademais, o tabagismo diminui a quantidade de espermatozoides. O hábito também fragmenta o DNA do esperma. Dessa forma, reduz a capacidade de fecundação. Por fim, contribui para a perda do apetite sexual e a disfunção erétil.

 

Infertilidade e bebidas alcoólicas

problemas para engravidar
Imagem: reprodução / Pinterest

 

Rodrigo informa que o excesso de álcool também causa infertilidade. No público masculino, reduz os níveis de testosterona e a quantidade de esperma. Pode ainda levar à disfunção erétil. 

Enquanto isso, nas mulheres, além de reduzir as chances de gravidez, pode causar problemas na gestação. “Entre eles malformação do feto e síndrome de abstinência no recém-nascido”, afirma.

 

Uso de medicamentos

Há certos medicamentos, como antidepressivos, que alteram os níveis hormonais, resultando em infertilidade. Em geral, isso se resolve com a simples suspensão do remédio. “Mas, em alguns casos, o dano pode ser irreversível. É o caso de pacientes que passam por quimio e radioterapia. Pois algumas substâncias levam à perda da função das gônadas, como ovários e testículos. Isso pode causar infertilidade permanente ou temporária”, explica o médico.

 

Peso inadequado

A obesidade está ligada a diferentes doenças, entre elas diabetes e hipertensão. Isso pode ocasionar não só problemas durante a gestação, mas também infertilidade. O excesso de gordura corporal nos homens prejudica a produção de testosterona. Assim, diminui o apetite sexual e causa dificuldades de ereção. Reduz ainda a qualidade e a quantidade do esperma.

Problemas com o peso também interferem nos hormônios sexuais femininos, principalmente o estrogênio. Isso atrapalha o processo de ovulação. No entanto, nesse caso, não se trata apenas da obesidade. Ou seja, mulheres excessivamente magras também têm menor chance de engravidar. “Além disso, têm risco maior de ter menopausa precoce.”

 

Falta de sono e infertilidade

“O sono é fundamental para a hipófise. Essa glândula do cérebro atua na produção de uma série de hormônios, inclusive aqueles que estimulam ovários e testículos. Logo, quando o período de repouso é curto ou de pouca qualidade, ela não funciona como deveria. Isso interfere na fertilidade.”

 

Exercícios físicos intensos

Assim como a alimentação, o exercício físico é indispensável para a saúde e o bem-estar. Entretanto, excesso de atividade pode levar à infertilidade. “Além disso, muitas pessoas que realizam atividade física intensiva usam medicamentos que simulam os efeitos da testosterona. O objetivo é acelerar o ganho de massa muscular. Mas pode causar impotência e perda de apetite sexual nos homens. E ainda desequilíbrios hormonais e dificuldade no crescimento do endométrio em mulheres. Tudo isso reduz as chances de gravidez e aumenta os riscos de aborto”, destaca o médico.

Portanto, não custa lembrar que o ideal é adotar um estilo de vida saudável. Essa é uma boa maneira de manter o organismo funcionando. E de não aumentar as chances de infertilidade. “Mas, se perceber problemas para engravidar, consulte um médico. Apenas ele pode identificar a real causa do problema. E recomendar, assim, o tratamento adequado”, finaliza Rodrigo.

Fonte
Rodrigo da Rosa Filho, ginecologista. Especialista em reprodução humana. E membro da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana (SBRH).

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes