Médico alerta que ivermectina contra Covid-19 leva à hepatite

Mulher jovem está prestes a precisar de um transplante de fígado após se medicar com ivermectina em busca de “conter efeitos colaterais” contra Covid-19. História teve repercussão no Twitter, e médico da Sociedade Paulista de Pneumologia sofreu ataques.

Um médico pneumologista fez uma alerta importante nas redes sociais sobre o uso indevido de ivermectina contra Covid-19. Frederico Fernandes, presidente da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia, compartilhou a história de uma paciente que tentou se tratar com o medicamento, mas acabou apresentando um caso grave de hepatite aguda.

As declarações do médico foram feitas em seu próprio perfil do Twitter no dia 6 de fevereiro. Ele atraiu atenção de internautas e de outros médicos que também compartilharam histórias impressionantes sobre ivermectina, medicamento que tem sido usado para combater os sintomas do novo coronavírus, embora não existam comprovações científicas que provem o benefício do remédio.

Caso ganhou repercussão

“Me solicitaram avaliação para uma paciente com hepatite medicamentosa. Está a um passo de precisar de um transplante de fígado. Ganha um troféu quem adivinhar qual medicação foi a culpada”, escreveu Frederico Fernandes, que logo em seguida mencionou o ivermectina responsável pela situação da paciente.

Segundo tuitou Fernandes, a mulher – que teve sua identidade preservada –usou 18 mg de ivermectina por dia por uma semana. A paciente havia testado positivo para a Covid-19, e o quadro era leve e estável. “Muito triste ver uma pessoa jovem a ponto de precisar de transplante por usar uma medicação que não funciona em uma situação que não precisa de remédio algum”, completou.

Em resposta a postagem do presidente da Sociedade Paulista de Pneumologia, o médico clínico Geral e nefrologista pela USP, Crestani Filho, escreveu:  “o primeiro caso de transplante hepático que acompanhei foi por Ivermectina”. Outro médico, este chamado Bruno Filardi, completou: “vi um em Ribeirão. Usou o combo. 37 anos. Quase morreu. Ainda hospitalizado mas recuperou função hepática. Sequela do paciente crítico.”

- PUBLICIDADE -

O que é o ivermectina?

O fármaco é usado no tratamento de vários tipos de infestações por parasitas, portanto é classificado como vermífugo. O medicamento pode ser consumido por via oral, na veia ou até mesmo aplicado na pele em caso de infestações externas.

Relação não comprovada: ivermectina e Covid-19

Leia também

Entenda o que é a síndrome de Haff e como tratar a doença

Nova variante do coronavírus no Brasil: veja os sintomas

A farmacêutica responsável pela fabricação da ivermectina afirmou em nota que não há dados disponíveis que sustentem a eficácia do medicamento contra o coronavírus. No entanto, o medicamento tem sido colocado como um dos que colabora no “tratamento precoce” contra a doença. 

O que é o tratamento precoce?

Imagem mostra o presidente Jair Bolsonaro recomendando o tratamento precoce
Bolsonaro é um dos defensores do chamado tratamento precoce, uso de medicamentos não comprovados no combate a Covid-19.

Jair Bolsonaro propagou o discurso sobre a eficácia do “tratamento precoce” contra o coronavírus, que nada mais é que a orientação de uso de medicamentos não comprados pela ciência, no combate a Covid-19 , como por exemplo, o uso de ivermectina.

“Repito o tempo todo aqui: no meu prédio, mais de 200 pessoas pegaram covid, se tratam com cloroquina e ivermectina, ninguém foi para o hospital”.

Jair Bolsonaro

- PUBLICIDADE -

Ataques após comentário sobre ivermectina e Covid-19

Após compartilhar o caso da paciente que usou ivermectina para tentar combater o coronavírus, Frederico Fernandes, presidente da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia, foi alvo de ataques na internet. Ele precisou bloquear sua conta no Twitter depois de sofrer ofensas políticas.

“Não entendo porque as pessoas se tornam tão agressivas na troca de ideias sobre a pandemia. Evito discussão política no meu perfil mas ainda assim recebi ataques”, comentou.

Apesar das respostas negativas, Frederico recebeu apoio ao expor a situação: “Seu post foi excelente e muito necessário. Não desanime. Essa rede é assim, mas ela é também um espaço de informação. Seu post sobre hepatite medicamentosa proveniente da Ivermectina viralizou porque é informação qualificada. Continue”, incentivou uma usuária do Twitter.

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes