Xepa da vacina: pessoas tentam a sorte nos postos de saúde

A corrida para a vacinação da população contra a Covid-19 acontece em todo o país, mas na cidade do Rio de Janeiro, um movimento tem chamado a atenção de agentes públicos de saúde. A “xepa da vacina” tem sido frequente em algumas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) da capital. Segundo informações do O Globo, grupos de pessoas estão tentando a sorte em busca das sobras de doses da vacina nos postos ao fim do dia.

O que é a ‘xepa da vacina’?

O termo que faz alusão à feira de alimentos, quando está no final e os produtos são vendidos por preços mais baixos, foi escolhido para a movimentação de pessoas que tentam um lugar na fila da vacinação no fim do dia. A xepa da vacina chegou a causar aglomeração no Centro Municipal de Saúde João Barros Barreto, em Copacabana, ainda de acordo com a publicação do O Globo. Cerca de 20 pessoas esperavam pela “xepa da vacina” no posto municipal na última terça-feira, dia 2 de fevereiro.

Está sobrando vacina nos postos?

(Foto: Agência Brasil)

A xepa da vacina começou após algumas sobras chamarem a atenção da população que procurava informações sobre a vacinação nos postos. Segundo funcionários do Centro Municipal de Saúde João Barros Barreto, três doses da vacina de Oxford sobraram no sábado passado, dia 30 e de janeiro, e seis doses no dia 1º de fevereiro.

As sobras acontecem, pois, quando um frasco da vacina é aberto, que contém dez doses, todo o conteúdo deve ser usado até seis horas para não haver desperdício. Por isso, a orientação da Secretaria Municipal da Saúde tem sido distribuir as vacinas da CoronaVac a partir do começo da tarde, para evitar que ao fim do dia restem doses da vacina de Oxford.

O que as autoridades dizem sobre a ‘xepa da vacina’?

- PUBLICIDADE -

O atual secretário de saúde do município do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, confirmou que existem “sobras” de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca, já que elas vêm distribuídas em dez doses, diferentemente da vacina CoronaVac, que chega em doses únicas. Ao o Globo, Soranz ressaltou que a prioridade atual é imunizar o grupo da fase 1, de acordo com o plano nacional de imunização, e em caso de sobras, a prioridade é destinar os fracos para os idosos acamados que moram nas regiões próximas aos postos.

Vacinação no RJ

Seguindo o calendário do plano de vacinação divulgado pelo governo federal, existe uma ordem que respeita certas fases e grupos prioritários. A expectativa para a primeira fase é de imunizar cerca de 14,8 milhões de pessoas, segundo afirmou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Na cidade do Rio de Janeiro, a campanha de imunização foi antecipada em uma semana, após a prefeitura da cidade confirmar a chegada de novas remessas da vacina no começo da semana, 2 de fevereiro. Com isso, será possível vacinar até o final do mês os idosos de 75 a 79 anos. Em nota divulgada no site da prefeitura, o secretário municipal de Saúde afirmou que pretende até final de março vacinar todos os idosos a partir de 60 anos.

É possível denunciar quem fura a fila

Além da “xepa da vacina“, denúncias sobre fura-filas crescem em todos os estados do país. Mas é possível denunciar essas pessoas, e isso é feito de forma online e gratuita. Primeiro, é preciso preencher um formulário no site do Ministério Público, este pode ser o Federal ou do respectivo estado. No formulário dá para anexar a reclamação em relato de texto e enviar mídias como documentos, vídeos e imagens para complementar a denúncia. Veja o passo a passo a seguir:

  • Acesse o site da Sala de Atendimento ao Cidadão;
  • Preencha o formulário com as informações pessoais de cadastro;
  • Na parte de Dados da Manifestação você irá descrever o ocorrido;
  • No item “Tipo de manifestação” selecione “Pedido de Informação Processual”
  • No fim da página você poderá selecionar as três opções; “Desejo manter meus dados pessoais em sigilo”, “Desejo compartilhar minha localização atual” ou “Esta manifestação é vinculada a outra já cadastrada”;
  • Clique no botão “Cadastrar”;
  • Seu cadastro já será enviado para  MPF.
covid-19
Comentários (0)
Comentar