Publicado em

A melhora da economia brasileira já reflete na oferta e demanda por voos no mundo. Segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo, na América Latina, o aumento na procura por transporte aéreo avançou 8,7% em fevereiro e pesou no incremento de 6,8% na media global.

De acordo com a associação o avanço na demanda, medido em quilômetros por toneladas de carga (FTKs), em fevereiro, sobre um ano antes, também refletiu um efeito de calendário, com a antecipação do Ano Novo Chinês este ano. Com o resulto, no primeiro bimestre a demanda global avançou 7,7%, o melhor patamar para o período desde 2015.

Na América Latina além do aumento da oferta houve avanço mde 6,9% na oferta de assentos, reflexo da maior disposição do brasileiro em realizar viagens ao exterior.

“Este aumento na demanda é um reflexo dos sinais de recuperação da maior economia da região, o Brasil. O volume de carga internacional com ajuste sazonal voltou aos níveis observados no fim de 2014”, comenta o diretor geral e CEO da Associação Internacional de Transporte Aéreo, na América Latina, Iata na sigla em inglês, Alexandre de Juniac.

Ele lembra ainda que todas as regiões do globo cresceram em fevereiro, com destaque também para as companhias aéreas da África, que apresentaram alta de 15,9%

Transporte de carga

A capacidade de carga, medida em quilômetros por toneladas de carga disponíveis (AFTKs), aumentou 5,6% na comparação ano a ano em fevereiro de 2018. O crescimento da demanda superou o aumento na capacidade pelo 19º mês consecutivo, um fator positivo para os rendimentos das aéreas

"A demanda por transporte aéreo de carga continua forte, com aumento de 6,8% em fevereiro”, diz Juniac.

Apesar da melhora gradual, ele alerta para as crescentes tensões entre países que são fortes no comércio exterior e o avanço do protecionismo.

“As perspectivas positivas para o restante de 2018 sentem algumas forças contrárias, incluindo a intensificação de medidas protecionistas, que podem levar a uma guerra comercial. A prosperidade aumenta quando as fronteiras estão abertas para as pessoas e para o comércio, e todos nós ficamos estacionados, mas eles não avançando", disse