Setembro foi o mês mais quente já registrado no mundo

De acordo com os cientistas, o mês de setembro foi o mês mais quente já registrado no mundo. As temperaturas da superfície foram 0,05º C mais altas do que no ano passado.

O último mês de setembro foi o mês mais quente já registrado em todo o mundo, descobriram os cientistas.

As temperaturas da superfície em todo o mundo foram 0,05° C mais altas que 2019. Assim,  isso tornou o último setembro como o mais quente desde o início dos registros, de acordo com o Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus da UE (C3S).

Além disso, a Europa também viveu o mês de setembro mais quente de todos os tempos. Bem como bateu o recorde anterior estabelecido em 2018 em cerca de 0,2ºC.


O aumento geral causou temperaturas mais altas no Ártico Siberiano. Assim como este ano a extensão do gelo no local derreteu mais rápido do que o normal devido a incêndios florestais na região.

Setembro é o mês em que a extensão de gelo atinge o seu ponto mais baixo. Isso acontece depois do derretimento do verão e antes de congelar novamente para o inverno, disseram os cientistas.

 

Setembro foi o mês mais quente
Imagem: reprodução / pixabay

Setembro foi o mês mais quente já registrado

Também houve temperaturas bem acima da média no Oriente Médio, América do Sul e Austrália, acrescentaram.

O C3S monitora o clima global e europeu usando bilhões de medições de satélites, navios, aeronaves e estações meteorológicas em todo o mundo.

 

Mudanças climáticas em foco

Assim, as descobertas são um claro lembrete da mudança climática em todo o mundo, que este ano resultou em incêndios florestais devastadores que queimaram grande parte dos estados americanos da Califórnia e Oregon.

Mas o Ártico é onde as temperaturas estão subindo “mais rápido do que em qualquer outro lugar do mundo”, disse o C3S.


Carlo Buontempo, diretor do C3S, acrescentou: “Em 2020, houve um declínio excepcionalmente rápido na extensão do gelo marinho do Ártico durante junho e julho. Na mesma região onde as temperaturas acima da média foram registradas, pré-condicionando o gelo marinho mínimo para ser particularmente baixo este ano.

“A combinação de temperaturas recordes e baixo gelo do mar Ártico em 2020 destaca a importância de um monitoramento melhor”,  acrescentou. 

Fonte Sky News
Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.