Setembro foi o mês mais quente já registrado no mundo

De acordo com os cientistas, o mês de setembro foi o mês mais quente já registrado no mundo. As temperaturas da superfície foram 0,05º C mais altas do que no ano passado.

O último mês de setembro foi o mês mais quente já registrado em todo o mundo, descobriram os cientistas.

As temperaturas da superfície em todo o mundo foram 0,05° C mais altas que 2019. Assim,  isso tornou o último setembro como o mais quente desde o início dos registros, de acordo com o Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus da UE (C3S).

Além disso, a Europa também viveu o mês de setembro mais quente de todos os tempos. Bem como bateu o recorde anterior estabelecido em 2018 em cerca de 0,2ºC.

O aumento geral causou temperaturas mais altas no Ártico Siberiano. Assim como este ano a extensão do gelo no local derreteu mais rápido do que o normal devido a incêndios florestais na região.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Setembro é o mês em que a extensão de gelo atinge o seu ponto mais baixo. Isso acontece depois do derretimento do verão e antes de congelar novamente para o inverno, disseram os cientistas.

 

setembro foi o mês mais quente
Imagem: Reprodução / Pixabay

Setembro foi o mês mais quente já registrado

Também houve temperaturas bem acima da média no Oriente Médio, América do Sul e Austrália, acrescentaram.

O C3S monitora o clima global e europeu usando bilhões de medições de satélites, navios, aeronaves e estações meteorológicas em todo o mundo.

 

Mudanças climáticas em foco

Assim, as descobertas são um claro lembrete da mudança climática em todo o mundo, que este ano resultou em incêndios florestais devastadores que queimaram grande parte dos estados americanos da Califórnia e Oregon.

Mas o Ártico é onde as temperaturas estão subindo “mais rápido do que em qualquer outro lugar do mundo”, disse o C3S.

Carlo Buontempo, diretor do C3S, acrescentou: “Em 2020, houve um declínio excepcionalmente rápido na extensão do gelo marinho do Ártico durante junho e julho. Na mesma região onde as temperaturas acima da média foram registradas, pré-condicionando o gelo marinho mínimo para ser particularmente baixo este ano.

“A combinação de temperaturas recordes e baixo gelo do mar Ártico em 2020 destaca a importância de um monitoramento melhor”,  acrescentou. 

Fonte Sky News

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes