Anatel assina acordo para teste da tecnologia 5G

A tecnologia 5G é uma inovação da internet, com mais conectividade e eficiência na comunicação digital. Resultados dos testes saíram em 2021.

A tecnologia 5G terá os primeiros testes no Brasil em breve, em parceria com empresas privadas de telecomunicações. Isso porque a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (Abdi) assinaram um acordo para realizar a testagem da nova tecnologia, ainda em 2020.

Em julho desse ano, a operadora de telefonia Claro anunciou a implementação do 5G DSS. Sendo assim, essa tecnologia denominada de Compartilhamento Dinâmico de Especto seria uma maneira de transição entre a quarta geração e a quinta, ou seja, 4G e 5G.

Dessa forma, a assinatura do acordo é um pontapé na implementação da tecnologia 5G no Brasil. Para isso, o governo federal prepara um leilão para a exploração comercial da tecnologia.

Mas, para além desta modalidade, em que operadoras oferecerão pacotes a usuários. A Anatel também prepara a possibilidade de empresas poderem utilizar redes privadas para diversas finalidades.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Por fim, a agência de comunicações brasileira afirmou que o propósito dos testes em parceria com a Abdi é avaliar como o 5G funciona neste tipo de rede, em diferentes situações, para distintas aplicações e em locais e instalações variadas. A expectativa é os resultados saiam no primeiro semestre de 2021.

 

Tecnologia 5G

O 5G é a quinta geração da internet e inovações da tecnologia. Sendo assim, inaugura uma nova era na conectividade móvel no Brasil.  Além de maior velocidade na internet, a nova geração pode revolucionar a sociedade, como a integração de dispositivos conectados e cidades inteligentes, por exemplo.

Mas também, indústrias poderão integrar suas redes de telecomunicações, permitindo a coordenação de robôs, sensores e outros equipamentos ativados por meio de uma conexão móvel e que conversam entre si, na chamada “Internet das Coisas”.

É importante lembrar que a Anatel já desenvolve testes para identificar como as redes privadas poderão ser disponibilizadas. Já há faixas de frequências alocadas, mas a agência estuda uma ampliação disso.

Os técnicos do órgão querem com o estudo identificar a demanda concreta de espectro para diferentes aplicações. Assim, quando uma empresa solicitar o direito de explorar determinada quantidade do espectro de radiofrequências a agência poderá ter melhores parâmetros.

*Com informações de Agência Brasil

Veja também

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes