O que sabemos sobre o atendimento de ‘coach de vida’ da Gretchen

Cantora conversará sobre experiências de vida e terá apoio do trabalho de terapeuta do marido.

Gretchen acaba de se lançar em uma nova jornada profissional. Pretende ser “coach de vida” ao lado do marido Esdras de Souza, que é musicoterapeuta. “Não sou terapeuta, mas vou atender pessoas para conversar. Para não sofrerem o que já sofri”, explicou a cantora à revista Quem.

O que se sabe sobre o atendimento de coach da Gretchen?

A cantora não revelou o valor do atendimento, apenas que pode ser feito presencialmente em Belém do Pará ou via internet. Ela conversará com a pessoa e o seu marido fará atendimento de musicoterapia e reiki (técnica de imposição de mãos para revitalizar e equilibrar sua energia vital).

A ideia foi de Esdras. “Ele me via sempre respondendo as pessoas no Instagram e me sugeriu. Vejo muito direct: ‘meu filho é gay e não sei o que fazer’. E o filho também: ‘quero contar para a minha família que sou gay’. Tenho experiência vasta para entender as pessoas. Isso é um processo”, comentou.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

“Não é uma coisa que simplesmente se joga e acontece. É um processo que os dois constroem juntos, pais e filhos. Vou também falar sobre autoestima, amor próprio, adoção, tenho duas filhas adotadas, entre outros assuntos”, adiantou.

Cantora rebate críticas

Gretchen foi criticada pelo novo trabalho e falou sobre o assunto nos Stories do Instagram, nesta segunda-feira (11). “Foram meter o pau, dizer que não posso fazer isso, que não sou letrada para isso e que não tenho moral para fazer isso. Eu quero ver quem é que vai me proibir. Eu já disse q não sou terapeuta mesmo, mas eu tenho experiência de vida que muitos deles não têm”, opinou.

“Vivi coisas na minha vida, que muitos deles não viveram. Perdi um filho, meu filho morreu no meu braço. Adotei filhas. Tive problemas seríssimos de violência domestica. Sempre sustentei meus filhos sozinha. Sou independente financeiramente e emocionalmente. Vou ensinar a mulherada a parar de acreditar em falsas coisas, como, por exemplo, ‘olha, tira essa roupa porque não fica muito bem em você’.”

E ainda ressaltou que a função de terapia fica por conta de seu marido, que tem formação na área. “Quando eu perceber que não posso ajudar a pessoa com minha mentoria e experiência, é logico que vou encaminhar para um terapeuta, o meu marido, que é musicoterapeuta. Ele pode fazer esse tratamento de ajuda que a pessoa precisar. Está completo o nosso atendimento, estou respaldada por um musicoterapeuta”, finalizou.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes