Paul McCartney anuncia novo álbum que completa série de discos

Alguns fãs de Beatles e Paul McCartney foram pegos de surpresa essa semana quando o ícone do rock anunciou o lançamento de um novo disco. Intitulado McCartney III, o álbum fecha a trilogia de discos autointitulados lançados em 1970 e 1980

Alguns fãs de Beatles e Paul McCartney foram pegos de surpresa essa semana, pois o ícone do rock anunciou o lançamento de um novo álbum. Intitulado McCartney III, o disco fecha a trilogia de discos autointitulados lançados em 1970 e 1980.

Saiba tudo sobre o novo lançamento de Paul McCartney e relembre os discos McCartney e McCartney II:

O novo disco de Paul: McCartney III

Com lançamento marcado para o dia 11 de dezembro, McCartney III certamente é um grande presente aos fãs do ídolo de Liverpool. O disco retoma o conceito adotado por Paul em outras duas obras (consideradas clássicas) lançadas em 1970 e 1980: todos os instrumentos foram gravados e produzidos pelo próprio.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

“Eu estava só de brincadeira, nunca suspeitei por um segundo que isso se tornaria um álbum”, explica Paul McCartney sobre a criação do disco novo. Nele, o ex-Beatle toca todos os instrumentos e ficou encarregado da produção.

Ele explica que o disco é bem parecido com McCartney, álbum gravado por ele quando os Beatles acabaram. “[O novo álbum] é sobre liberdade e amor. Há diversos sentimentos nele, mas em nenhum momento eu decidi fazer algo do tipo ‘É isso que estou sentindo agora.'”

McCartney III foi produzido no que Paul chama de “Rockdown” e terá a presença de equipamentos ilustres em suas músicas. Além do clássico baixo Hofner da época dos Beatles, Paul utilizou uma guitarra Fender da década de 1954 e um contrabaixo de Bill Black, baixista de Elvis Presley entre os anos de 1954 e 1958.

Relembre os discos anteriores da trilogia 

McCartney I

Capa
McCartney I não foi um sucesso logo de cara, mas se tornou um dos discos favoritos dos fãs do ex-Beatle

Frustrado com o fim dos Beatles, mas apaixonado por sua esposa Linda. Esses foram os dois principais sentimentos que inspiraram a gravação de McCartney, o primeiro álbum solo da carreira de Paul McCartney.

A obra é apontada como uma das precursoras dos discos ‘caseiros’ e com produção de baixo custo, pois o ex-Beatle gravou todo o disco com apenas um gravador de quatro canais dentro de sua casa; inclusive, Paul chegou a montar sua bateria no banheiro da casa para poder conseguir uma sonoridade diferente para a percussão do disco. As canções também soavam menos lapidadas que clássicos dos Beatles como Michelle, Penny Lane e outros.

Como resultado da sonoridade de baixa qualidade e seu experimentalismo musical, McCartney I foi massacrado pela crítica quando lançado, mas conquistou grande respeito dos fãs do artista ao longo dos anos – afinal, a obra retrata um momento pivotal da carreira do músico. Fora isso, o disco trouxe ao mundo o sucesso Maybe I’m Amazed, que, certamente, é uma das melhores músicas solo de Paul.

“É engraçado, o tempo acaba lapidando essas coisas, pois na época ele foi considerando um monte de lixo!”, relembrou Paul, que ainda adora o álbum, em uma entrevista esse ano.

Ouça Maybe I’m Amazed abaixo:

McCartney II

McCartney II foi um importante disco para Paul, pois o auxíliou a encontrar um novo som para a década de 1980.

Algum tempo depois dos Beatles, Paul McCartney retomou as rédeas de sua carreira e fez um enorme sucesso com sua nova banda, Wings. O disco Band On The Run tornou-se um clássico do rock e gerou comparações com outras obras produzidas por McCartney enquanto membro dos Beatles. Contudo, após a gravação de outros álbuns com a banda, o clima foi piorando e o compositor decidiu se aventurar sozinho novamente.

O processo de gravação de McCartney II foi muito influenciado por sintetizadores que Paul havia comprado para utilizar com o Wings, mas que acabaram ficando de lado quando a banda terminou de gravar seu último disco, Back to the Egg. Assim como a primeira empreitada solo de Paul, McCartney II não foi bem recebido pela crítica.  

Embora as críticas não fossem favoráveis, o álbum chegou ao primeiro lugar das paradas musicais britânicas e vendeu tão bem quanto o disco Band On The Run do Wings. É um disco relevante, pois mostra o esforço de Paul McCartney em se adaptar à sonoridade de uma nova década. No Brasil, a música Check My Machine (produzida nas sessões de McCartney II) acabou se tornando um sucesso improvável, porque foi adotada em bailes de samba rock. McCartney II é um dos 10 discos clássicos que completaram 40 anos em 2020.

Relembre Check My Machine, primeira música gravada por Paul nas sessões de McCartney II:

Confira o trailer do novo disco de Paul McCartney

Paul McCartney ainda não lançou nenhum single novo para o aguardado McCartney III, mas divulgou em suas redes sociais um trailer que revela um pouco da sonoridade que está por vir. 

Confira abaixo:

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes