Brasil faz acordo de US$ 1 bilhão em investimentos com banco americano

Recursos vindos do banco americano podem ser aplicados em tecnologia 5G e infraestrutura

O governo brasileiro e o Banco de Exportação e Importação dos Estados Unidos (EximBank) fecharam acordo nesta terça-feira, dia 20, para investimentos no Brasil de até US$ 1 bilhão. Em valores reais, o aporte pode chegar a R$ 5,6 bilhões.

Onde vão os investimentos?

O Eximbank e o Ministério da Economia irão identificar as opções para usar o financiamento do banco americano nas áreas de telecomunicações (incluindo tecnologia 5G, a próxima geração de rede de internet móvel), energia (incluindo nuclear, petróleo e gás e renováveis), infraestrutura, logística, mineração e manufatura (incluindo aeronaves), de acordo com informações da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil.

Saiba mais: Internet 5G: confira quais as mudanças e benefícios da tecnologia

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que abre os horizontes de investimentos no Brasil. “Fizemos um acordo com o Mercosul, que estava parado há oito anos, com a União Europeia, parado há 20 anos, fizemos um acordo com a Área de Livre Comércio Europeia. Começamos negociações com Japão, Coreia do Sul, Canadá e chegamos a um grande acordo com os americanos para facilitar o comércio, convergência de marcos regulatórios e anticorrupção”, disse.

Adesão à OCDE

Também presente na cerimônia, o presidente Jair Bolsonaro falou sobre a satisfação em receber a comitiva do embaixador Robert O’Brien, conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, e agradeceu o apoio do presidente Donald Trump para a adesão do Brasil à Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A OCDE reúne os países mais industrializados do mundo e estabelece parâmetros conjuntos de regras econômicas e legislativas para os seus membros. Atualmente, o grupo conta com 36 países-membros, a maioria da Europa.

Da América Latina, apenas o Chile e o México estão no grupo. Para ingressar como membro e atrair novos investimentos, o Brasil deve cumprir uma série de requisitos, em um processo que leva, em média, três anos. (com informações da Agência Brasil)

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes