Google suspende Parler, o aplicativo da ‘liberdade de expressão’

Google suspende Parler, a rede social polêmica de “liberdade de expressão” popular entre os apoiadores de Donald Trump.

Google suspende Parler, a rede social polêmica de “liberdade de expressão” popular entre os apoiadores de Donald Trump.

A Parler se autodenomina uma mídia social “imparcial” e é cada vez mais popular entre as pessoas banidas do Twitter.

O Google disse em um comunicado que exige que os aplicativos de mídia social tenham políticas de moderação de conteúdo que removem postagens que incitem a violência. Contudo, as postagens no Parler estão incentivando mais violência após o motim no Capitólio dos EUA no início desta semana.

Além disso, a Apple também avisou que removerá a rede social de sua App Store se ele não cumprir seus requisitos de moderação de conteúdo.

A remoção do aplicativo ocorre no momento em que a violência no Capitólio dos EUA por partidários de Trump na quarta-feira (6), que deixou cinco mortos , renovou os apelos para que as empresas de mídia social e tecnologia moderem mais de perto suas plataformas, especialmente quando se trata de chamadas para incitar a violência.

 

Parler
Imagem: reprodução / pinterest

Google suspende Parler

Capturas de tela do aplicativo Parler vistas pela CNBC mostram usuários postando referências a pelotões de fuzilamento. Bem como pedidos para trazer armas para a posse presidencial no final deste mês. 

De acordo com o Google, eles alertaram o aplicativo sobre sua política de moderação de conteúdo no início deste ano.

A Parler teve seu lançamento em 2018 e surgiu no início deste ano como uma alternativa pró-Trump ao Twitter com menos moderação de conteúdo. 

“Somos uma praça da cidade, uma praça aberta, sem censura”, disse o CEO da Parler, John Matze, em junho . “Se você pode falar nas ruas de Nova York, pode falar na Parler”, acrescentou.

Por um breve período, tornou-se o aplicativo mais baixado nos EUA após a eleição americana. Afinal, o  Twitter e Facebook repreenderam e agiram fortemente contra a disseminação de desinformação eleitoral. Isso fez com que após os banimentos, os usuários procurassem uma nova comunidade.

Fonte CNBC
Você pode gostar também