Covid-19: Países mais ricos acumulam vacina e os mais pobres ficam para trás, diz pesquisa

A People’s Vaccine Alliance afirma que apenas 14% da população mundial comprou 53% das vacinas mais promissoras.

Países mais ricos acumulam vacina enquanto os mais pobres ficam por último na fila de imunizações. 

De acordo com a People’s Vaccine Alliance, diversas nações desenvolvidas “acumulam” mais doses da vacina contra o coronavírus que precisam. Assim, há temores de que os países mais pobres possam ficar para trás.

As descobertas foram feitas pela People’s Vaccine Alliance, Oxfam e a Amnistia Internacional. Eles analisaram os acordos feitos entre países e as oito principais candidatas a vacinas.

Eles constaram que os países mais ricos compraram todas as doses da vacina Moderna. Assim como 96% das doses da Pfizer.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Apenas 14% da população mundial comprou 53% das vacinas mais promissoras. Além disso, o Canadá comprou doses suficientes para vacinar cada canadense cinco vezes.

Os países mais pobres, por outro lado, só poderão vacinar uma em cada 10 pessoas no ano que vem, disse a aliança.

 

Países mais ricos acumulam vacina
Imagem: Reprodução / Pexels

Países mais ricos acumulam vacina

Mesmo a promessa dos responsáveis ​​pela vacina Oxford / AstraZeneca de alocar 64% das doses para pessoas em países em desenvolvimento pode não ser suficiente.

Possivelmente  a oferta ainda deve chegar a apenas 18% da população mundial no próximo ano, no máximo.

A aliança diz que os governos e a indústria farmacêutica devem tomar medidas urgentes. E, assim, garantir que haja doses de vacina suficientes para o mundo – não apenas para os países que podem pagar por elas.

De acordo com Stephen Cockburn, chefe de justiça econômica e social da Anistia Internacional, “o acúmulo de vacinas mina ativamente os esforços globais para garantir que todos, em todos os lugares, possam se proteger da covid-19”.

“Os países ricos têm obrigações claras de direitos humanos. Não apenas de se abster de ações que possam prejudicar o acesso às vacinas em outros lugares, mas também de cooperar e fornecer assistência aos países que dela necessitem”, acrescentou.

Anna Marriott, gerente de políticas de saúde da Oxfam, disse: “Ninguém deve ser impedido de receber uma vacina que salva vidas por causa do país em que vive ou da quantidade de dinheiro em seu bolso”.

“Mas, a menos que algo mude drasticamente, bilhões de pessoas em todo o mundo não receberão uma vacina segura e eficaz para covid-19 nos próximos anos”.

Fonte Sky News

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes