Greve de ônibus São Paulo: mais de 700 linhas são afetadas

Operação foi interrompida nas garagens dos grupos estrutural e de articulação regional

Após rejeitarem a proposta de reajuste apresentada pelas empresas que administram o transporte público da cidade, os motoristas e cobradores de São Paulo iniciaram nesta terça-feira (14) uma paralisação de 24h. Com a greve de ônibus em São Paulo, as linhas afetadas passam de 700, de acordo com a estimativa da prefeitura.

Quais as linhas afetadas na greve de ônibus São Paulo

Um boletim de operação divulgado pela Prefeitura de São Paulo na manhã desta terça-feira (14), apontou que a greve de ônibus em São Paulo afeta 713 linhas e 6,5 mil ônibus, que transportariam 1,5 milhão de passageiros no pico da manhã. Segundo a SPTrans, as operações foram interrompidas em todas as garagens dos grupos estrutural e de articulação regional ainda na madrugada, por volta das 4h. Veja as empresas que paralisaram a operação:

Zona Norte – linhas afetadas na greve de ônibus São Paulo 


  • Santa Brígida;
  • Gato Preto;
  • Sambaíba.

Zona Leste 

  • Express;
  • Viação Metrópole;
  • Ambiental.

Zona Sudeste

  • Via Sudeste

Zona Sul


  • Campo Belo;
  • Viação Grajaú;
  • Gatusa;
  • KBPX;
  • MobiBrasil;
  • Viação Metrópole.

Zona Oeste

  • Transppass;
  • Gato Preto.

Apesar da greve de ônibus em São Paulo, algumas linhas não foram afetadas. De acordo com a SPTrans, as empresas que operam no Grupo Local de Distribuição estão funcionando normalmente. Confira:

Zona Norte

  • Norte Buss;
  • Spencer.

Zona Leste

  • Transunião;
  • UPBUS;
  • Pêssego;
  • Allibus;
  • MoveBuss.

Zona Sudeste

  • Transunião

Zona Sul


  • A2 Transportes;
  • Transwolff.

Zona Oeste

  • Transcap;
  • Alfa Rodobus.

Prefeitura suspende o rodízio de carro

Para tentar minimizar o impacto da paralisação, algumas medidas operacionais foram adotadas pela prefeitura. Entre elas, a suspensão do rodízio de veículos. Dessa forma, aqueles que possuem os números 3 e 4 no final da placa estão autorizados a circular nesta terça-feira (14) sem restrição de horário. No entanto, o rodízio volta a valer na quarta-feira (15).

Além disso, a prefeitura alterou o itinerário de alguns ônibus. Nesta terça, doze linhas que iam até o Terminal Campo Limpo foram estendidas até a Estação Vila Sônia. Lá, os passageiros podem realizar a integração com o Metrô. Enquanto isso, outras 11 linhas que vão até o Terminal Vila Nova Cachoeirinha estão levando os passageiros até o Metrô Barra Funda. Outros ônibus também estão realizando o transporte de passageiros entre os terminais Varginha e Grajaú, onde é possível fazer a conexão com a linha 9 Esmeralda da CPTM.

Por meio de nota, a gestão municipal lamentou a paralisação e desejou que os “trabalhadores e empresários cheguem em breve a um acordo para que a população de São Paulo não seja ainda mais penalizada”. No texto, a SPTrans informou que irá solicitar à Justiça a cobrança de uma multa diária de R$ 50 mil para as empresas que não cumpriram decisão da Justiça do Trabalho que previa a manutenção de 80% da frota nos horários de pico e 60% nos demais horários.

Leia também:

Greve de ônibus em São Paulo: paralisação começa a meia-noite

Você pode gostar também