Auxílio Emergencial: Caixa tem ainda R$ 45 bilhões para pagamentos

Secretário de Política Econômica anunciou que os recursos se destinam ao auxílio emergencial e programas sociais até dezembro de 2020.

O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, declarou que há R$ 45 bilhões na Caixa para auxílio emergencial e programas sociais. O valor custeará as próximas parcelas dos benefícios para trabalhadores informais, desempregados e microempreendedores individuais. A declaração aconteceu na última terça-feira (17).

“Isso nos dá muita convicção de que a economia terá a necessária tração para fechar 2020 e entrará bem em 2021. Passo a passo iremos caminhar com um crescimento cada vez maior e mais sustentável”,  apontou Sachsida.

Contudo, o secretário destacou que R$ 110 bilhões podem entrar na economia. Sendo assim, o recurso é a projeção do volume injetado pelos programas emergenciais, como o auxílio emergencial e saques do FGTS. “É um volume expressivo de recursos até janeiro”.

Fim do Auxílio Emergencial

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O Auxílio Emergencial, bem como a extensão, tem o pagamento da última parcela em dezembro de 2020. Sendo assim, os valores de R$ 300 e R$ 600 se destinarão aos cidadãos cadastrados no auxílio emergencial, conforme o mês de nascimento. Ou seja, trabalhadores informais, MEIs, mulheres mães solo e desempregados.

Contudo, o secretário de Política Econômica não falou sobre o fim do auxílio emergencial e a criação do novo programa social, o Renda Cidadã, que já foi anunciado pelo Ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni na última segunda-feira (16).

“Questões sobre auxílio emergencial e Bolsa Família são decisões que cabem ao presidente da República”, declarou Sachsida.

Gastos públicos em 2020

Além disso, Adolfo Sachsida defendeu que o aumento dos gastos públicos impedem o crescimento econômico do país, considerando a relação entre dívida pública e o Produto Interno Bruto (PIB). Este último representa o valor dos recursos financeiros do Brasil, medido anulmente.

“Na situação que o Brasil se encontra hoje, se gastarmos muito o crescimento diminui. Se o governo gastar muito agora, o PIB cai, a inflação aumenta, os juros aumentam, o investimento cai e o desemprego aumenta. A consolidação fiscal está no melhor interesse da população, principalmente dos mais pobres”, disse o secretário.

Leia também

 

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes