Bolsonaro descarta ‘Renda Cidadã’ e mira no Bolsa Família para 2021

Renda Cidadã é descartado

Segundo integrantes do alto escalão do governo, a ideia agora é manter o Bolsa Família, que atualmente beneficia 14,2 milhões de famílias

Governo e líderes do Congresso descartaram a criação do Renda Brasil, segundo o jornal O Globo. A decisão foi tomada depois de conversas de parlamentares com os ministros da Economia, Paulo Guedes, da Secretaria de Governo, Eduardo Ramos e o presidente Jair Bolsonaro. Além disso, a PEC emergencial não prevê recursos ou um desenho de um programa de transferência de renda, como o Renda Cidadã.

 

Sem Renda Cidadã

A equipe econômica planejava criar um novo programa social, o Renda Cidadã, incluindo mais beneficiários e pagando um valor maior que o atual Bolsa Família. O problema estava na falta de definição dos recursos utilizados para o financiamento. O ministro da Economia, Paulo Guedes, levantou sugestões para a extinção de programas sociais. Enquanto isso, o senador Márcio Bittar, relator da PEC emergencial, sugeriu usar uma parte do Fundeb e os precatórios. Entretanto, ambas as sugestões sofreram o embargo do presidente Jair Bolsonaro.

 

Bolsa Família

Segundo integrantes do alto escalão do governo, a ideia agora é manter o Bolsa Família, que atualmente beneficia 14,2 milhões de famílias, e incluir mais pessoas nas regras. O Bolsa Família tem, para 2021, um orçamento previsto de R$ 34,8 bilhões. Esse valor já é maior do que em 2020 (R$ 29,5 bilhões). Esse valor é suficiente para aumentar em um milhão de famílias o programa, de acordo com o governo.

Enquanto busca uma saída para o fim do auxílio emergencial, a ala política do governo já admite que as reformas defendidas pela equipe econômica ficarão para 2021, porque não há mais tempo para aprovação no Congresso.

 

Leia também

Nubank libera pagamentos por aproximação em celulares…

Saiba como funciona o investimento em PGBL para pagar menos…

PEC emergencial e expectativas

Após negociação com os parlamentares, o Governo Federal conseguiu um acordo para votar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo. Havia expectativa de que o relator das propostas de corte de gastos, senador Márcio Bittar (MDB-AC), incluísse no parecer o Renda Brasil. Mas a ideia teve descarte, afirmou um líder do governo. A PEC emergencial não traz o desenho ou recursos de um novo programa de transferência de renda, como o conhecido Renda Cidadã.

- PUBLICIDADE -

Por outro lado, o relatório de Bittar virá apenas com medidas de corte de despesas e de reequilíbrio fiscal, como introdução de gatilhos no serviço público, corte de renúncias fiscais, com exceção do Simples e incentivos regionais, enxugamento dos fundos públicos, e outros. Na manhã da última sexta-feira (11), o relator da PEC informou que o parecer final da proposta de emenda constitucional será protocolado somente em 2021.

Além disso, o ministro da Economia admitiu que o governo ainda precisa avaliar como chegar a um programa de renda básica para o futuro. “Sabemos que é um trabalho que não terminou ainda. O natural seria juntar o Bolsa Família com outros programas. Mas a confusão foi tão grande, a briga foi tão grande, que o governo achou melhor mostrar que vamos reavaliar o tema, sem confundir com o auxílio emergencial, que era uma ferramenta transitória para o período de emergência da pandemia” afirmou, em audiência na Comissão Mista do Congresso Nacional que acompanha a execução das medidas de enfrentamento à pandemia de covid-19.

 

Leia também:

Renda básica: quais as mudanças no Bolsa Família em 2021?

Bolsa Família: confira o calendário de abertura da poupança digital

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes