Bolsonaro sanciona Casa Verde e Amarela sem unificação de tributos

Substituto do Minha Casa Minha Vida, programa tem como principal função o financiamento de casas para a população

Nesta quarta-feira (13), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou o projeto que cria o programa habitacional Casa Verde e Amarela, substituto do Minha Casa Minha Vida. O texto, publicado no Diário Oficial da União, possui vetos em relação a unificação de tributos.

Segundo a Agência Câmara de Notícias, o novo programa habitacional será gerenciado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional e custeado por recursos orçamentários, de fundos habitacionais e do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

 

Casa Verde e Amarela

Editada em agosto, a MP que iniciou o projeto Casa Verde e Amarela passou por alterações no Congresso e foi aprovada no Senado em 8 de dezembro. Dessa maneira, a iniciativa entra no lugar do “Minha casa, minha vida”, lançado em 2009 e criado durante a gestão do ex-presidente Lula (PT).

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O programa Casa Verde e Amarela tem como principal função o financiamento de casas para a população. Mas além do financiamento de novas moradias, a iniciativa visa também oferecer algum tipo de serviço de regularização fundiária e de melhoria habitacional, ou seja, de reforma de casas. O Casa Verde Amarela é voltado para famílias de áreas urbanas e rurais com renda mensal de R$ 2 mil até R$ 7 mil. Segundo o governo federal, a meta é atender 1,6 milhão de famílias de baixa renda com o financiamento habitacional até 2024, um incremento de 350 mil.

Um dos maiores objetivos do Casa Verde Amarela, segundo a pasta do Ministério do Desenvolvimento Regional, é também aperfeiçoar pontos do programa habitacional anterior. Além da redução dos juros, a ideia é dar atenção à qualidade dos imóveis construídos no âmbito do programa. Além disso, o novo programa do governo visa regulamentar as moradias que estão irregulares e não tirar as pessoas que já estão morando nelas.

 

Mudanças

O programa sofreu alterações. De acordo com o iG, a nova política habitacional não prevê mais a faixa de renda mais baixa, de até R$ 1,8 mil, onde as prestações são simbólicas. Dessa forma, mantém o foco em famílias de renda entre R$ 2 mil e R$ 7 mil, e que possuem capacidade de assumir o financiamento.

Além disso, foi vetado o trecho que estabelecia que as construtoras participantes do programa pudessem ter um recolhimento unificado dos tributos equivalente a 4% da receita mensal auferida pelo contrato, assim como no Minha Casa Minha Vida. Portanto, o veto foi feito porque não havia estimativa de impacto orçamentário da proposta e nem de possíveis medidas compensatórias da perda de arrecadação. Assim, as principais mudanças do programa são:

  • Fim da faixa de renda mais baixa (R$ 1.800);
  • Juros mais baixos e juros especiais para as regiões Norte e Nordeste;
  • Regularização de terrenos em parcerias com estados e prefeituras;
  • Reformas de casas sem custo para as famílias;
  • Doação da União de terrenos e imóveis à iniciativa privada para uso em projetos habitacionais.

 

Juros menores para Norte e Nordeste

Em suma, o programa prevê ações para a reforma e melhoria de imóveis e a retomada de obras paralisadas. Também haverá a viabilização da renegociação de dívidas do financiamento habitacional para as famílias de menor renda. Assim, os juros do financiamento das habitações do programa serão menores nas regiões Norte e Nordeste.

Portanto, a ideia é oferecer mais R$ 25 bilhões do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e R$ 500 milhões do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS) para o programa até o fim do ano. A estimativa do governo é que os empreendimentos gerem, até 2024, mais de 2,3 milhões de novos postos de trabalho diretos, indiretos e induzidos, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Regional.

As taxas de juros devem ficar em torno de 5% ao ano. Para os estados do Norte e do Nordeste, o percentual poderá ser menor, de 4,5% ou mesmo 4,25%, a depender da faixa de renda familiar.

 

Aluguel social

O governo estuda implantar um terceiro pilar do programa, com o aluguel social, através de parcerias público-privadas. Em suma, o poder público banca uma parcela do aluguel das famílias contempladas no programa, reduzindo o volume dessa despesa no orçamento familiar.

 

Quais as faixas de renda do Casa Verde e Amarela?

O conceito de faixas de renda do Minha Casa, Minha Vida foi substituído por grupos.

  • 1º Grupo beneficia famílias com renda de até R$ 2 mil;
  • 2º Grupo, famílias com renda entre R$ 2 mil e R$ 4 mil;
  • 3º Grupo, famílias com renda entre R$ 4 mil e R$ 7 mil.

Então, os beneficiários que estão no Grupo 1 terão acesso à compra subsidiada e financiada, regularização fundiária e melhoria habitacional. Por outro lado, nos grupos 2 e 3, segundo o programa, será possível ter financiamento, com taxas pouco superiores às do Grupo 1 e regularização fundiária.

O Casa Verde e Amarela vai permitir a renegociação de dívidas dos mutuários da faixa 1, de baixa renda, o que o Minha Casa, Minha Vida não previa. Segundo o Executivo, então, a inadimplência é de cerca de 40%, em especial nas famílias com menor renda. Por fim, haverá a organização de um mutirão de renegociação após o fim da pandemia de covid-19.

 

Leia também:

Regime de Recuperação Fiscal: veja o que muda com nova ampliação

Seguro-desemprego 2021: confira os novos valores das parcelas

Informar Erro
Fonte Agência Câmara de Notícias

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes