Governo revoga 48 normas trabalhistas ‘obsoletas’; veja o que muda

A revogação de 48 normas trabalhistas foi justificada com a promessa de reduzir a burocracia e aumentar a geração de empregos no país.

Com a defesa da desburocratização para criação de empregos, o Programa Descomplica Trabalhista revoga 48 normas de portarias da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). O anúncio aconteceu em cerimômia no Palácio do Planalto na última quinta-feira (22).

As 48 portarias trabalhistas revogadas são “obsoletas”, de acordo com o Ministério da Economia.

Além disso, a cerimônia registrou a assinatura da norma regulamentadora para o agronegócio, a NR 31, específica para saúde e segurança na agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e aquicultura. Mas também, simplicação do formulário do eSocial.

Revogação das normas trabalhistas

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A burocracia é a principal justificativa para a revogação das normas trabalhistas. Segundo o Ministério da Economia, essa medida pode gerar mais empregos. Contudo, o governo não detalhou quais normas trabalhistas tiveram anulação.

Durante a apresentação do Programa Descomplica Trabalhista, o ministro da economia, Paulo Guedes afirmou a revogação das normas trabalhistas é uma medida que faz parte do plano de governo.  “Estamos fazendo o nosso dever de casa, fazendo o máximo possível. Essa solenidade é a simplificação e a desburocratização dentro do espírito que o senhor (Bolsonaro) colocou aqui”, declarou na cerimônia. Além disso, Guedes disse que “temos que transformar a economia”.

Também, o secretário especial da pasta, Bruno Bianco Leal declarou que a revogação foi necessária para a modernização dos empregos. “Portarias inúteis, mas que atrapalham nossa vida, nossa gestão e a vida de quem quer empreender no Brasil.”

Ainda de acordo com o Ministério da Economia, a simplificação de processos de contratações e obrigações trabalhistas são pontos de partida para geração de empregos no país. Cerca dois mil documentos do antigo Ministério do Trabalho estão sob revisão e ter consolidação em menos de dez.

Por fim, o secretário de Trabalho, Bruno Dalcolmo, comentou que “essas portarias [revogadas] simplesmente já estavam muito obsoletas. Elas fazem parte da gestão do antigo Ministério do Trabalho e são exemplo do quão grande podem se tornar as burocracias estatais”.

Vale ressaltar que o Ministério do Trabalho tornou-se uma secretaria do  Ministério da Economia, no governo Bolsonaro.

Leia também

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes