Vale-transporte em dinheiro é permitido? Veja o que diz a CLT

Conforme as leis trabalhistas, o vale-transporte deve ser oferecido através de um cartão que contém o saldo necessário para o trabalhador ir de sua casa até a empresa, e é renovado mensalmente

O vale-transporte dá suporte ao trabalhador que precisa se locomover até a empresa. Trata-se de um benefício obrigatório para aqueles de carteira assinada, pago através de um cartão, e que viabiliza a possibilidade de oferecer seus serviços. Entretanto, muitos trabalhadores e empregadores se deparam com a dúvida se o vale-transporte pode ser pago em dinheiro, além da venda do saldo restante. Por isso, entenda:

Como funciona o vale-transporte?

O vale-transporte é uma antecipação, por parte do empregador, do valor necessário ao trabalhador para a utilização em despesas de deslocamento entre a residência e o trabalho. Tem garantia pela lei 7.418/85 e regulamentado pelo Decreto 95.247/87, mediante a solicitação com o preenchimento do Termo de Concessão do Vale Transporte.

A empresa pode descontar na folha de pagamento até 6% sobre o valor do salário. Assim, o valor excedente é custeado pela empresa. Trata-se de um direito de todo trabalhador CLT. Portanto, o valor em cartão oferece mais segurança ao empregador e empregado, eliminando as possibilidades ilícitas. Além disso, facilita o embarque e o controle de gastos.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Apenas não tem direito ao vale-transporte quando o funcionário estiver em período de férias, licença ou dias de repouso porque não há deslocamento da residência para o trabalho. Assim, não existe uma determinação legal de distância mínima para a obrigatoriedade do benefício. Em suma, se houver a necessidade do uso de transporte público, a empresa deve arcar com o vale-transporte. Portanto, a empresa só deve deixar de oferecer se o trabalhador formalmente abrir mão ou se oferecer transporte gratuito que cubra o trajeto do empregado da porta de casa até o trabalho.

 

Vale-transporte pode ser pago em dinheiro?

O artigo que regulamenta o vale-transporte não permite o pagamento em dinheiro. Da mesma maneira, não é possível realizar o saque dos valores. Conforme o artigo 5º do Decreto nº 95.247/1987, que regulamenta o vale-transporte, “é vedado ao empregador substituir o vale-transporte por antecipação em dinheiro ou qualquer outra forma de pagamento (..)”. Entretanto, existem suas situações que permitem o pagamento em dinheiro:

  • Situações emergenciais, como a necessidade de ressarcimento ao trabalhador que não teve o crédito disponibilizado pela prestadora de serviços responsável;
  • Jurisprudência, quando os Tribunais compreendem que por força do artigo 7º da Constituição Federal o benefício pode ser pago em dinheiro. O artigo se refere a validade dos acordos e convenções coletivas. Dessa maneira, deve haver alguma previsão expressa no acordo.

Ou seja, em casos gerais onde o valor do cartão for insuficiente e não for possível recarregá-lo a tempo, o empregado pode pagar suas passagens e a empresa devolve a ele com o pagamento do mês seguinte.

 

Quais de receber o vale-transporte em dinheiro?

Em primeiro lugar, trata-se de uma prática ilegal e que contém riscos. Além disso, quando o pagamento é feito em dinheiro recebe um aumento na carga tributária. Basicamente, o benefício pago no cartão não tem incidência dos recolhimentos como FGTS, INSS e IR. Mas quando o pagamento é feito em dinheiro, junto ao salário, o valor da base de cálculo é maior e gera o pagamento de mais impostos.

Nos casos onde a empresa oferta o valor do vale-transporte em ‘mãos’, existe o risco de sofrer uma alegação de coação da empresa. Assim, a organização deverá pagar multas e indenizações.

 

É permitido vender o saldo?

Segundo a legislação trabalhista, conforme o decreto 95.247, a venda do saldo dos cartões de vale-transporte é crime. O ato pode causar uma demissão por justa causa e o trabalhador pode ser preso por estelionato caso venda para as quadrilhas do ciclo vicioso de vale-transporte.

Caso haja um número de passagens não utilizadas, ao invés de o funcionário sacar o saldo, a empresa geralmente verifica o número de passagens e completa o benefício. Se o empregado tiver demissão, ele deve devolver o valor referente às viagens que sobraram em seu vale-transporte. A lei não obriga as empresas a acumular saldos, mas apenas oferecer o suficiente para que o colaborador se desloque.

 

Leia também:

Idosos entre 60 e 64 anos tem até fevereiro para transporte gratuito em SP

CLT: 4 adicionais sobre o salário que o trabalhador pode ter direito

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes