Entenda como ficou o auxílio emergencial para mães solteiras

O auxílio emergencial para mães solteiras foi o dobro do valor, em parcelas de R$ 1200 ou R$ 600. Saiba se o benefício pode se tornar permanente.

Os depósitos do auxílio emergencial finalizam na próxima terça-feira, 29 de dezembro. Brasileiros receberam durante a pandemia depósitos de R$ 600 ou R$ 300 nos seis ciclos do benefício. O auxílio emergencial para mães solteiras foi o dobro do valor, em parcelas de R$ 1200 ou R$ 600. Além disso, há um projeto de lei que define o benefício permanente para o grupo.

Quem recebe os R$ 1200 do auxílio emergencial?

No caso de famílias que têm a mulher como única responsável pelas despesas da casa, o valor pago a cada mês é de R$1200 no auxílio emergencial.

Qual valor do auxílio emergencial até dezembro para mãe solteira?

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Todas as beneficiárias chefe de família têm direito a cinco parcelas do auxílio de R$ 1200 do auxílio emergencial, que representa duas cotas de R$ 600 do público restante. Depois disso, passam a receber até o fim do ano o auxílio residual, na metade do valor, R$ 600. O qual por sua vez, representa duas cotas de R$ 300, que a cidadã pode receber mesmo que outra pessoa da família tenha pego o benefício.

Então, em dezembro essas mulheres podem receber os R$ 600 da prorrogação do auxílio, caso ainda se encaixem nos critérios.

Quantas parcelas mãe solteira vai receber do benefício?

O número de parcelas que cada cidadã vai receber varia de acordo com o lote que entrou no benefício. Como dito, todas têm direitos a cinco parcelas de R$ 1200. Ao passo que, há um limite de quatro parcelas do auxílio residual de R$ 600, a serem depositadas até o fim do ano. Então, o máximo a receber do benefício são nove parcelas no total.

Auxílio emergencial permanente para mães solteiras

Ademais, o Projeto de Lei 2099/20 institui o auxílio emergencial permanente para mães solteiras, no valor de R$ 1200 mensais. No entanto, a situação do texto é “aguardando Designação de Relator na Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher (CMULHER)”. Ele chegou à comissão no dia 06 de novembro e é de autoria do deputado Assis Carvalho (PT-PI). Nota-se que, com o recesso parlamentar e a falta de apoio do governo, não há boas chances do projeto ser aprovado.

A saber, o projeto define critérios para esse recebimento. A mulher deve ter mais que 18 anos de idade, não ter emprego formal, bem como ter renda familiar mensal per capita de até 1/2 salário-mínimo ou a renda familiar mensal total de até 3 salários mínimos, entre outros requisitos.

 

Leia também:

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes