Inscritos do Bolsa Família vão receber o novo auxílio emergencial?

A partir da implementação de um novo auxílio emergencial, a expectativa é que os valores sejam reduzidos, assim como o número de beneficiários.

A partir da implementação de um novo auxílio emergencial, a expectativa é que os valores sejam reduzidos, assim como o número de beneficiários. Sob a justificativa de falta de recursos do governo para continuar com as parcelas de R$ 600 e R$ 300 pagas no ano passado. Essa nova rodada ainda não está confirmada, mas saiba se os inscritos do Bolsa Família devem receber os valores.

O auxílio emergencial terá uma nova rodada?

Com a pressão da sociedade e do Congresso Nacional, o governo federal está discutindo a criação de uma nova rodada do auxílio emergencial. No entanto, ela deve ter um valor reduzido e menor número de beneficiários.

Segundo reportagem da Folha de São Paulo, publicada no dia 07 de fevereiro, o governo está preparando uma proposta para liberação de três parcelas no valor de R$ 200. Para receber o dinheiro, o cidadão terá que participar de um curso para qualificação profissional. Ao passo que, o projeto deve ser associado ao programa Carteira Verde e Amarela, que flexibilizava o pagamento de direitos trabalhistas para estimular contratações.

Além disso, o nome do benefício também deve mudar. Será chamado de BIP, sigla para Bônus de Inclusão Produtiva. O seu objetivo é dar assistência a pessoas vulneráveis em um na situação de crise.

O custo deste novo auxílio emergencial deve ser bem abaixo do anterior. Serão cerca de R$ 6 bilhões por mês. Ao passo que, em 2020 houve o gasto de R$ 50 bilhões mensais.

Quem recebe Bolsa Família vai pegar o novo auxílio emergencial?

Dessa forma, pode surgir a dúvida de se os inscritos do Bolsa Família vão pegar o novo auxílio emergencial, como ocorreu no ano passado. De acordo com a mesma reportagem já citada, o BIP não vai contemplar os inscritos do Bolsa Família, pois é focado nos trabalhadores informais não atendidos por esse programa.

- PUBLICIDADE -

Sendo assim, o governo deve manter a despesa já prevista para o programa neste ano, de R$ 34,8 bilhões.

Leia também

Certidão FGTS: confira o passo a passo para emitir a CRF

Cadastro Único online 2021: saiba como fazer a consulta

No entanto, a inclusão desse grupo na nova rodada do auxílio emergencial também já foi mencionada. Segundo reportagem do Estadão, publicada no dia 06 de fevereiro, um dos critérios pensados para definir os beneficiários é selecionar aqueles que recebem o Bolsa Família e também os que estão na fila deste programa.

Em 2020, quem era do programa Bolsa Família foi incluído de maneira automática no auxílio emergencial, sem a necessidade de realizar um cadastro. Dessa forma, receberam o benefício de maior valor.

Como foi o pagamento do benefício em 2020?

O auxílio emergencial foi criado com a finalidade de amparar trabalhadores informais, autônomos e desempregados durante a pandemia. E também se estendeu aos inscritos do Bolsa Família. Houve o pagamento de cinco parcelas de R$ 600 e depois a prorrogação com parcelas de R$ 300 do auxílio residual até o fim do ano. Em ambos os casos, as mães chefes de família receberam duas cotas do benefício.

Os pagamentos foram divididos em seis ciclos. Com datas para depósito em poupança social digital e para liberação de saques e transferências. Seguindo a ordem do mês de aniversário dos beneficiários. Ademais, os inscritos do Bolsa Família receberam o dinheiro a partir do calendário regular do programa.

Por fim, o benefício teve o custo de R$ 293 bilhões e foi pago a 64 milhões de pessoas.

 

Leia também:

- PUBLICIDADE -

Bolsa Família: saiba porque o valor do seu benefício diminuiu

Bolsa Família aprovado? Veja passo a passo para consultar

Calendário Bolsa Família 2021: veja os pagamentos de fevereiro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes