PIB em 2020 caí 4,1%: entenda o que isso significa

O IBGE divulgou os dados oficiais do PIB em 2020 do Brasil nesta quarta-feira (03/03). A queda da economia brasileira representa um marco histórico negativo. Os efeitos da pandemia da COVID-19 foram os grandes responsáveis por isso.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quarta-feira, 3 de março, dados anuais do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil em 2020. O número representa a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Com um 2020 atípico, marcado pela pandemia do novo coronavírus, o Brasil registrou uma queda brusca de 4,1% em relação ao ano de 2019.

Qual o PIB do Brasil em 2020?

Imagem mostra nota de 50 reais - PIB em 2020
(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Os resultados mostraram uma queda de 4,1%, a maior já registrada pelo IBGE desde 1996. Ela representa também um valor total de R$ 7,4 trilhões. O PIB em 2020 per capita, ou seja, por habitante, teve um recuo ainda maior, de 4,8%, que resulta em valores brutos de R$ 35.172.

Em nota, o IBGE afirmou que os números interrompem um crescimento de três anos seguidos, de 2017 a 2019, que o país vinha passando com o PIB acumulando, ao todo, uma alta de 4,6%. Segundo informações da Agência Brasil, a queda de 4,5% no setor de serviços, foi a responsável pelo grande impacto no resultado anual do PIB em 2020.

Qual o crescimento do Brasil em 2020?

O PIB do Brasil avançou 3,2% no quarto trimestre em 2020. Em valores correntes, isso corresponde a R$ 2,0 trilhões. Quando comparado ao quarto trimestre de 2019, o PIB caiu 1,1%. Em entrevista a Agência Brasil, Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, afirmou que o crescimento é considerado normal, já que em comparação ao segundo trimestre, quando ocorreu o auge dos efeitos da pandemia da Covid-19.

O único setor que cresceu em 2020 foi o da agropecuária, com aumento total de 2,0%. De acordo com Rebeca, este movimento aconteceu graças a produção de soja e café, que aumentaram, respectivamente, 7,1% e 24,4%.  Apesar de não registarem o mesmo crescimento, outros setores tiveram certo destaque no PIB anual em 2020, sendo eles; os setores de  imobiliária, extrativa mineral e financeiro.

“Nós podemos dizer que um quarto da economia brasileira teve desempenho positivo em 2020.”

Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE.
Fonte: Agência Brasil

Impacto da pandemia no PIB em 2020

Imagem mostra pessoas usando máscaras de proteção por conta da pandemia da Covid-19, que afetou o PIB brasileiro em 2020
Pandemia do novo coronavírus afeta PIB em 2020 (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Naturalmente, a pandemia do novo coronavírus afetou a economia nacional, seja por parte de vista da produção ou do consumo. Com isso, o setor de serviços, que representa cerca de 70% do PIB do Brasil, foi o mais sucumbido em 2020. A queda anual do setor foi de 4,5%.

Leia também

Calendário do Bolsa Família; veja quando será o pagamento do…

Veja como fazer consulta do auxílio emergencial pelo celular

A economista e coordenadora do IBGE destaca que os serviços prestados diretamente às famílias, como, por exemplo, hotéis e restaurante representaram um recuo de (-12,1%). O transporte de passageiros, como avião, navios e ônibus de viagem, também tiveram uma queda brusca, de (-9,2%). O setor da indústria foi também um dos alvos. A produção neste setor caiu 3,5%, o que somando ao encolhimento de 4,5% do setor de serviços, representam 95% da economia nacional no PIB em 2020.

A necessidade de ficar em casa e respeitar o isolamento social, fez com que o consumo das famílias brasileiras diminuísse cerca de 4,8%. O resultado foi o pior da série histórica de pelo menos 25 anos.  Já a queda no consumo do governo também foi recorde (-4,7%), e pode ser ilustrada pelo fechamento de escolas, universidades, museus e parques públicos.

“É como se o peso dessas outras atividades de serviços tivesse recuado a um patamar semelhante ao de 2012. Ela abrange os serviços com característica de atendimento presencial, que foram os maios afetados pela pandemia”, enfatizou a gerente da pesquisa.

O encolhimento do PIB em 2020 interrompeu uma sequência de três anos de crescimento na economia. Embora tenha tido dois trimestres seguidos de alta, o país encerrou oa ano de 2020 com a economia 1,2% abaixo do patamar que se encontrava, por exemplo, no 4º trimestre de 2019.

Quais efeitos da queda do PIB em 2020?

Economistas e especialistas destacam: o recuo de 4,1% da economia brasileira terá efeitos colaterais drásticos para o país. Com o PIB negativo em 2020, o  Brasil deixa o ranking das 10 maiores economias do mundo. Segundo o levantamento da agência de classificação de risco Austin Rating, divulgado pelo portal G1, o país passa para a 12º colocação.

Entretanto, a colocação ainda é extraoficial, já que nem todos os países divulgaram dados anuais do PIB em 2020. O ranking oficial deve ser divulgado apenas no mês de abril de 2020, após a divulgação dos resultados consolidados pelo FMI (Fundo Monetário Internacional).

Entre 2010 e 2014, o PIB do Brasil ocupou o sétimo lugar no ranking de maiores economias do mundo. O pior momento da participação do país na lista foi no ano de 2003, quando ficou na 14º posição. Vale ressaltar que o ranking da Austin Rating existe desde o ano de 1994.

Qual foi o pior PIB do Brasil?

Segundo registros históricos, o pior PIB do país foi o de 1990, quando a economia nacional diminuiu 4,35%. Já o segundo pior ano foi 1981, quando o Brasil registrou uma queda de 4,25%. O PIB de 2015, era, até então, considerado o terceiro pior da história, quando o país encolheu 3,55% na produção.

Confira o histórico do PIB nos últimos anos dez anos

  • 2010 – aumento de 7,53%
  • 2011 – aumento de 3,97%
  • 2012 – aumento de 1,92%
  • 2013 – aumento de 3,00%
  • 2014 – aumento de 0,50%
  • 2015 – queda de 3,55%
  • 2016 – queda de 3,28%
  • 2017 – aumento de 1,32%
  • 2018 – aumento de 1,32%
  • 2019 – aumento de 1,14%

Fonte: IBGE 

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes