Bolsa Família pode aumentar o valor em 2021; veja mudanças

Entretanto, mesmo com a inclusão proposta de 300 mil famílias, 700 mil domicílios continuariam em espera

Para 20201, o governo federal deve reajustar o valor médio do Bolsa Família para R$ 200 (R$ 8 de diferença do valor médio atual) e incluir mais 300 mil famílias, conforme afirmam técnicos do Ministério da Cidadania. Entretanto, não deve zerar a fila que contém quase 1 milhão de famílias, deixando cerca de 700 mil domicílios em espera.

Aumento no pagamento do Bolsa Família

O valor médio atual do benefício é de R$ 192, que depende da configuração das famílias. Dessa maneira, o reajuste estaria atendendo ao pedido do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Com o aumento do orçamento de 2021 em relação ao ano anterior, o Ministério da Cidadania deve decidir entre usar os recursos extras para reduzir a fila de espera ou reajustar o valor dos benefícios individuais, a partir de R$ 41 pago por número de filhos menores. Entretanto, pedido de Bolsonaro deve ser atendido.

 

Sem Renda Cidadã

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A equipe econômica planejava criar um novo programa social, o Renda Cidadã, incluindo mais beneficiários e pagando um valor maior que o atual Bolsa Família. O problema estava na falta de definição dos recursos utilizados para o financiamento. O ministro da Economia, Paulo Guedes, levantou sugestões para a extinção de programas sociais. Enquanto isso, o senador Márcio Bittar, relator da PEC emergencial, sugeriu usar uma parte do Fundeb e os precatórios. Entretanto, ambas as sugestões sofreram o embargo do presidente Jair Bolsonaro.

Segundo integrantes do alto escalão do governo, a ideia agora é manter o Bolsa Família, que atualmente beneficia 14,2 milhões de famílias, e incluir mais pessoas nas regras. O Bolsa Família tem, para 2021, um orçamento previsto de R$ 34,8 bilhões. Esse valor já é maior que em 2020 (R$ 29,5 bilhões). Esse valor é suficiente para aumentar em um milhão de famílias o programa, de acordo com o governo.

Enquanto busca uma saída para o fim do auxílio emergencial, a ala política do governo já admite que as reformas defendidas pela equipe econômica ficarão para 2021, porque não há mais tempo para aprovação no Congresso.

 

Leia também:

Guedes diz que 13º do Bolsa Família é crime de responsabilidade fiscal

Bolsonaro culpa Maia por falta de 13º salário ao Bolsa Família

Informar Erro
Fonte iG

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes