Publicado em

SÃO PAULO -  Ao trabalhar com o mercado de capitais e conhecer o mundo das fintechs, o advogado Bernardo Pasvowitch decidiu criar sua própria startup. Depois de três anos de atuação, mudanças no modelo de negócios e a entrada de dois sócios, o Yubb se consolida como um buscador de investimentos.



Para facilitar a explicação e diferenciar sua empresa das demais fintechs, Pascowitch compara o Yubb com o Buscapé. No entanto, ao invés de oferecer preços mais baixos ao consumidor virtual, a fintech mostra as melhores opções de investimento de acordo com os parâmetros que o usuário se interessa.



Ao reunir bancos, financeiras e até outras fintechs, a startup possibilita ao potencial investidor ver quais são as opções para ele realizar aportes, seja em renda fixa ou fundos de investimentos. Ao decidir realizar a operação, o usuário é direcionado para a página da instituição escolhida, ou seja, o dinheiro não passa pelo Yubb.



"Não precisa de cadastro e nem login. Nós faturamos somente em cima das casas que divulgam seus produtos", diz o fundador. Apesar de ter crescer 20% ao mês e já ter ultrapassado a marca de 1,5 milhão de visualizações, a startup começou de outra forma.



Ao fundar o Yubb, em 2014, o advogado só sabia que queria fazer alguma coisa envolvendo tecnologia no mercado financeiro. Ao falar com fundos, bancos e corretoras para saber como eles divulgavam o serviço que o buscador ganhou corpo.



Ainda sem sócios, em 2015 Pascowitch colocou a plataforma no ar, mas de um jeito diferente, cobrando mensalidades. Ao realizar mentorias e com a ajuda de dois sócios, o advogado transformou o modelo de negócios há menos de um ano.



Agora, cobrando somente das instituições financeiras, a startup prevê faturar R$ 40 mil ao mês até o final do ano. No momento, há cerca de mil opções de investimentos disponíveis.