Programa jovem aprendiz: confira as regras e idade mínima

Esse projeto do governo federal visa incentivar empresas a promoverem programas de aprendizagem para contratação de adolescentes.

Pessoas entre 14 e 24 anos de idade podem entrar no mercado de trabalho a partir do programa do jovem aprendiz. Esse projeto, permite que jovens trabalhem e também recebam capacitação profissional. Ao passo que, tem acesso a direitos como FGTS, férias e décimo terceiro, bem como contribuição ao INSS.

Como funciona o programa de jovem aprendiz?

O programa do jovem aprendiz está previsto na Lei de Aprendizagem, Lei nº 10097/2000. Esse projeto do governo federal visa incentivar empresas a promoverem programas de aprendizagem para contratação de adolescentes. O contrato deve ser registrado na carteira de trabalho, e o cidadão tem acesso a direitos trabalhistas e previdenciários.

Dessa forma, o jovem aprendiz é aquele que trabalha e estuda, bem como recebe capacitação para a área que está exercendo atividades profissionais. Em caso de não ter completado o ensino fundamental, o cidadão deve estar matriculado na escola e comprovar frequência.

O empregador deve se comprometer a assegurar ao jovem aprendiz uma formação técnico-profissional. Ao passo que o aprendiz, se compromete a realizar as tarefas necessárias a essa formação.

Além disso, o contrato de jovem aprendiz não pode ser superior a dois anos. Bem como, está garantido o valor da hora do salário mínimo como cálculo da remuneração. Nota-se também, que as médias e grandes empresas devem ter de 5% a 15% do total de seus funcionários na função de jovens aprendizes.

Quem pode ser jovem aprendiz?

Para participar do programa jovem aprendiz, o cidadão deve ter entre 14 e 24 anos de idade. Nota-se que a idade máxima não se aplica a pessoas com deficiência. Além disso, é preciso estar cursando ou já ter concluído o ensino fundamental e médio com frequência escolar.

Qual a carga horária?

A carga horária do jovem aprendiz não pode passar de seis horas por dia, ao passo que não podem ocorrer prorrogações e compensações de jornada. O limite pode ser de até oito horas por dia para os aprendizes que já tenham terminado o ensino fundamental, mas é preciso que seja computado o tempo de capacitação. Ao menos um dia da semana deve ser destinado ao curso profissionalizante.

Quais os direitos?

No programa de jovem aprendiz, o trabalhador tem os mesmos direitos trabalhistas dos demais empregados com carteira assinada. Incluindo itens como décimo terceiro e vale transporte. O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é montado com a taxa reduzida de 2%, e as férias devem coincidir com o período de férias escolares.

Ademais, o menos aprendiz também contribui para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), podendo assim ter acesso a benefícios previdenciários quando devidos. O tempo de contração fica contabilizado para a concessão de aposentadoria.

Qual é o salário?

O cálculo da remuneração do jovem aprendiz deve ser de ao menos o salário mínimo por hora. Neste ano de 2021, esse valor é de R$ 5.

Como se inscrever?

Para trabalhar como jovem aprendiz, o cidadão pode se cadastrar em sites e instituições que anunciam vagas para essa função, como por exemplo o CIEE, Centro de Integração Empresa-Escola. Depois da inscrição, é preciso se candidatar às vagas.

 

Leia também:

CLT: entenda como funciona o descanso semanal remunerado

CLT: como é feito o pagamento de férias dos funcionários?

Vale-transporte em dinheiro é permitido? Veja o que diz a CLT

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes