Após subir 11%, Bitcoin perde força e fecha o dia em queda

Alta-relâmpago da criptomoeda nesta quinta-feira registrou o maior retorno diário do bitcoin desde 8 de fevereiro

O preço do bitcoin subiu 11% registrando o maior retorno diário desde 8 de fevereiro. Mas a alta durou pouco. A criptomoeda não conseguiu manter o ritmo de subida apesar de registrar valorização na maior parte do dia. No final da tarde iniciou um movimento de baixa que terminou com a criptomoeda registrando perda de 1,2% em seu valor.

Nesta quinta-feira, 10, o estrategista do JPMorgan Nikolaos Panigirtzoglou escreveu uma nota que avaliou o retrocesso do bitcoin nas últimas semanas como uma dinâmica negativa para o preço da criptomoeda e que pode estar apontando para um mercado em baixa. O backwardation ocorre quando o valor de um ativo no varejo supera os preços negociados no mercado futuro. Assim, os traders capitalizam o backwardation vendendo a descoberto ao preço atual de mercado e comprando ao preço futuro mais baixo.

O JPMorgan citou o ano de 2018 como um exemplo de quando ocorreu o backwardation, quando o preço do bitcoin caiu 74%. A condição de backwardation é um desenvolvimento incomum, mas é um sinal de fraca demanda por bitcoin por parte de investidores institucionais.

O bitcoin subiu 11%, mas, apesar da recuperação de 25%, nada mudou materialmente para o preço do BTC. A defesa do nível de preço de US$ 30.000 em 8 de junho solidificou uma faixa de negociação. Desta forma, apenas um fechamento diário abaixo de US$ 30.000 ou um fechamento diário acima de US$ 43.331 irá liberar o BTC da volatilidade e da negociação lateral na faixa dos US$ 30 mil.

O que é Bitcoin e para o que serve

O bitcoin é uma moeda digital que funciona de forma independente, sem uma entidade central. Uma das tecnologias por trás do bitcoin é o blockchain, banco de dados distribuído nos computadores que participam da rede. Como o sistema é descentralizado e não é controlado, não há como censurar ou reverter transações, ao contrário do sistema financeiro tradicional.

Assim como qualquer outro ativo, incluindo ouro, ações de empresa ou imóveis, o bitcoin tem seu valor ditado exclusivamente pela oferta e demanda do mercado. Dessa maneira, é impossível prever como estará esse equilíbrio ao longo do tempo.

Ao contrário do mercado de renda fixa, onde há uma previsibilidade de retornos, nas moedas, commodities e renda variável, a flutuação da cotação é livre. Isso significa que a expectativa de valorização depende do número de interessados, ou seja, a adoção do bitcoin como reserva financeira ou meio de transação.

Nesse sentido, existem diversas teorias que indicam o potencial de valor das criptomoedas. Algumas falam que a escassez, medida pela quantidade anual emitida frente ao estoque disponível, é que determina o valor justo. Enquanto isso, há quem diga que o custo de mineração deve servir como base para a precificação.

Uma das dúvidas mais comuns dos investidores iniciantes nesse mercado é como transformar novamente o bitcoin em reais, de forma a sacar para a conta bancária. Primeiro, é importante lembrar que nas criptomoedas os usuários são livres para negociar entre si.  Com o intuito de reduzir riscos surgiram as exchanges, que funcionam de maneira semelhante às corretoras tradicionais, assegurando que comprador e vendedor recebam o que foi combinado.

Para evitar golpes e riscos ao comprar bitcoin, deve-se ter cuidado ao escolher a exchange para compra e venda de bitcoin.

No Brasil, a ABCripto, Associação Brasileira de Criptoeconomia, reúne as principais exchanges do setor no país: Mercado Bitcoin, Foxbit, Novadax e BitBlue, todas em conformidade com as leis e regulamentos do país.

Qual o preço do Bitcoin

O bitcoin inaugurou uma nova era na economia global, trazendo um novo paradigma tecnológico que vários empreendedores e desenvolvedores utilizaram e utilizam para criar projetos e modelos de negócio envolvendo a tecnologia na qual as criptomoedas são baseadas: o blockchain.

Esses projetos são chamados de altcoins, em referência ao fato de serem moedas “alternativas”. Todas as moedas que não são o bitcoin são chamadas de altcoins. Até hoje, mais de 5 mil altcoins já foram lançadas, com os mais variados objetivos e tecnologias aplicadas.

Altcoins: conheças as criptomoedas alternativas

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes