PEC Emergencial aprovada em 1º turno: o que falta para entrar em vigor?

A Câmara dos Deputados vota nesta quarta-feira (10/03) a PEC Emergencial, que garante a volta do auxílio emergencial para brasileiros e brasileiras. O primeiro turno da votação já aconteceu; confira.

O clima é de expectativa nesta quarta-feira, 10 de março, no Congresso Nacional. Isso porque o texto da PEC Emergencial está sendo votado por deputados e deputadas da Câmara, e até o momento, o primo turno já foi concluído. Foram, ao todo, 341 votos a favor da emenda, 121 contra e 10 abstenções.  A primeira sessão foi marcada para às 10h, e a segunda deve acontecer agora no período da noite.

O que falta para PEC Emergencial entrar vigor?

Foto mostra o congresso nacional visto de cima.
Congresso Nacional (Foto: Agência Brasil)

A PEC Emergencial, responsável por garantir a volta do auxílio emergencial em virtude a pandemia da COVID-19, precisa passar pela segunda e última sessão na Câmara dos Deputados. Para que ela entre em vigor em breve, é preciso que os deputados a aprovem o texto sem propor nenhuma mudança.

Caso a Câmara decida que a PEC Emergencial precisa ter algum ponto alterado, ela volta para o Senado Federal, onde será votada novamente em duas sessões. Segundo declarou o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), a intenção é que o governo federal pague a primeira parcela do auxílio emergencial ainda neste mês de março.

O que é a PEC Emergencial?

A Proposta de Emenda à Constituição Emergencial, diferentemente do que muitos pensam, não estabelece os valores e o pagamento do auxílio emergencial, mas sim a garantia de que o benefício “caiba” no bolso do governo, ou seja, é um copilado de medidas de contenção de gastos públicos, para que assim o governo possa disponibilizar R$ 44 bilhões para o auxílio.

Além destas, a PEC Emergencial também prevê medidas que podem ser adotadas caso o governo descumpra o teto de gastos que estabeleceu, já que isso pode afetar negativamente a economia do país no futuro, por exemplo. Os R$ 44 bilhões estabelecidos é o limite do quanto o programa de auxílio emergencial deve custar para o governo, e não sua estimativa.

Entre as outras funções da PEC Emergencial, uma das principais é a criação dos mecanismos necessários para que a conta pública não vá ao colapso. Pensando nisso, a emenda garante dois dispositivos primordiais que devem ser acionados em caso de necessidade, sendo eles: a regra de ouro (proíbe o governo de fazer dívidas para pagar despesas) e o teto de gastos (limita os gastos da União à inflação do ano anterior).

Nova rodada do auxílio emergencial

O governo bateu o martelo em relação aos valores do auxílio emergencial, que ao contrário de 2020, será mais enxuto e deverá contemplar somente os mais necessitados.  Segundo confirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes, o novo auxílio, garantido pela PEC Emergencial, será de três faixas: R$ 175, R$ 250 e R$ 375.

A ideia é que o auxílio emergencial seja de quatro parcelas, ou seja, quatro meses de pagamento. Apesar de ainda não ter o calendário oficial divulgado, já que a aprovação da PEC ainda está em análise no Congresso Nacional, espera-se que a primeira parcela do auxílio seja disponibilizada em março. Portanto, o pagamento seria de março até julho.

Quem vai ter direito ao auxílio emergencial?

A PEC Emergencial também não define quem terá direito ao auxílio, isso, por sua vez, é definido pelo próprio Ministério da Economia. Até o momento, o que se sabe é que o benefício será pago de acordo com a estrutura familiar. Uma pessoa sozinha, por exemplo, deve ganhar a menor faixa do auxílio, sendo essa a de R$ 175.

A estimativa é de que o pagamento médio seja o de R$ 250, ou seja, este deve contemplar a maioria da população beneficiada. Já no caso de famílias monoparentais dirigidas por mulheres, o valor será o de R$ 375.

O Ministério da Cidadania ficará responsável por “mapear” os beneficiários, que deverão ter seus dados de cadastros públicos, como, por exemplo, INSS, MEI, CNIS e CAGED, com os fornecidos para a inscrição do auxílio emergencial em 2020. Exemplo: quem estava desempregado em 2020 e conseguiu emprego em 2021, certamente não deverá ser incluso no novo auxílio.

Como se inscrever para receber?

Aplicativo CAIXA/Auxílio Emergencial
Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Segundo o governo, os inscritos no auxílio emergencial em 2020 não terão que se inscrever novamente. Já sobre os novos inscritos, informações de como será o procedimento, ainda não foram disponibilizadas oficialmente. Entretanto, o que se sabe é que o governo usará como base a autodeclaração de renda enviada no ano passado.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes