Perdão de Dívidas das Igrejas: entenda a polêmica

A proposta foi vetada parcialmente nessa semana, mas ainda pode sofrer reviravoltas. A emenda foi mal recebida pela Procuradoria da Fazenda, já que a isenção do pagamento de dívidas das igrejas interferiria diretamente na arrecadação tributária em cerca de R$ 1 bilhão.

No início desse mês o Deputado Federal David Soares (DEM-SP) levantou no Congresso uma emenda que propôs o perdão de dívidas das igrejas.

Essa proposta trata das multas pelo atraso no pagamento da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e das contribuições previdenciárias. Além disso, pede a isenção do pagamento da CSLL pelas entidades religiosas.

Numa soma, o perdão de dívidas giraria em torno de R$ 1 bilhão em todo o país. Entretanto, o presidente Jair Bolsonaro vetou parcialmente a proposta – ao menos até o momento.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

De onde veio a proposta para o perdão de dívidas das igrejas

Inicialmente, a emenda entrou no Congresso pelo Deputado Federal David Soares (DEM-SP). O projeto original não tinha a ver com as tributações dos centros religiosos.

Coincidência ou não, David é filho do Missionário R. R. Soares, que comanda a Igreja Internacional da Graça de Deus. A igreja é a terceira maior inadimplente entre as instituições religiosas devedoras ativas da União na lista da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). Sendo assim, com mais de R$ 37 milhões de reais em débitos, se beneficiaria com o perdão de dívidas das igrejas.

Aliás, a justificativa do deputado é que o pagamento desses valores “acaba por praticamente inviabilizar a continuidade dos relevantes serviços prestados por tais entidades”.

O que Bolsonaro vetou na proposta de perdão de dívidas

O presidente Bolsonaro vetou o perdão de dívidas das igrejas
Fonte: Reprodução / Pedro França-Agência Senado

A Secretaria-Geral explicou que os vetos de Bolsonaro atingem itens que garantiam isenção do pagamento da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e de multas por não pagamento do tributo.

De acordo com a manifestação nas redes sociais oficiais do Presidente Jair Bolsonaro, o veto não cumpriu a sua vontade, mas obedeceu à Lei de Diretrizes Orçamentárias e também da Responsabilidade Fiscal.

“Sou obrigado a vetar o dispositivo que isentava as Igrejas da contribuição sobre o Lucro Líquido (CSLL), tudo para que eu evite um quase certo processo de impeachment”.

O Presidente manteve, no entanto, o trecho a respeito dos pagamentos feitos pelas igrejas a ministros e membros das congregações. Eles não configuram remuneração, por isso não estão sujeitos a contribuir para a Previdência.

Contudo, segundo a publicação no Diário Oficial da União, há também a possibilidade de viabilizarem a emenda do perdão das dívidas das igrejas. Por isso, nas suas redes sociais, o Presidente disse que “No mais, via PEC a ser apresentada nessa semana, manifestaremos uma possível solução para estabelecer o alcance adequado para a imunidade das igrejas nas questões tributárias”.

 

Quais impostos e taxas as igrejas não pagam?

Igrejas são beneficiadas com imunidade tributária
Fonte: Reprodução / Unsplash

O artigo 150 da constituição brasileira prevê a imunidade tributária a templos religiosos de qualquer credo. Na prática, isso quer dizer que estão livres de pagar diversos tipos de impostos. Entre eles estão:

  • Imposto de Renda (IR)
  • Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU)
  • Impostos sobre doações
  • Imposto Territorial Rural (ITR)
  • E, por fim, e Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), desde que os bens estejam em nome da igreja.

Ademais, serviços como taxa do casamento, curso de batismo e cerimônias diversas também se livram do Impostos Sobre Serviços (ISS).

Somando tudo, as igrejas estão imunes de, aproximadamente, 95% dos tributos que as outras classes de pessoas jurídicas precisam pagar. Desse modo, a imunidade segue a ideia de que não se impeça nenhum grupo de pessoas de exercer sua fé por não conseguir pagar imposto.

Atualmente, a lei prevê que igrejas paguem taxas como Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Contribuição para o Custeio do Serviço de Iluminação Pública (Cosip) em alguns municípios e o polêmico CSLL, que significa Contribuição Social sobre o Lucro Líquido.

Em suma, de acordo com os críticos, o perdão de dívidas das igrejas sobre a CSLL não faz sentido do ponto de vista técnico. Isso porque, na prática, as igrejas empregam pessoas em muitas outras funções.

Por isso, o pagamento da CSLL ainda é obrigatório, já que a contribuição sobre o lucro incide nas atividades que as igrejas executam e que não fazem parte da sua finalidade original.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes