Pantanal: o que você precisar saber antes de ir

Sem dúvidas, o Pantanal é um dos biomas mais bonitos do Brasil. Sua paisagem pode mudar ao longo das estações do ano, mas isso nunca altera sua beleza ou riqueza em experiências. Justamente por isso, é um incrível ponto turístico para quem gosta de estar em contato com a natureza. Por isso, compilamos abaixo as principais informações sobre o Pantanal:

O que é o Pantanal?

Com uma área aproximada de 150 mil km², o Pantanal é uma das maiores  extensões úmidas contínuas de todo o planeta Terra. Ele fica localizado em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e também em regiões do Paraguai e Bolívia. O bioma sofre influência da Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica e também abriga dezenas de espécies ameaçadas em outras regiões do Brasil. Araras-azuis, Onças-pintadas e o característico pássaro Tuiuiú são algumas das principais espécies do Pantanal.

Conforme o Ministério do Meio Ambiente, “estudos indicam que o bioma abriga os seguintes números de espécies catalogadas: 263 espécies de peixes, 41 espécies de anfíbios, 113 espécies de répteis, 463 espécies de aves e 132 espécies de mamíferos sendo 2 endêmicas”.

O órgão também afirma que quase duas mil espécies de plantas já foram identificadas no bioma e classificadas de acordo com seu potencial, e  algumas apresentam vigoroso potencial medicinal. Embora possua grande valor para o meio-ambiente, o Pantanal é muito impactado pela ação humana (em especial, pela atividade da agropecuária). Além disso, as queimadas são naturais no bioma durante sua época de seca, mas podem ser intensificadas por mudanças climáticas e a falta de intervenção contra elas. 

Como está o pantanal após as queimadas de 2020?

Trabalhadores lutando contra as chamas. Foto: Iberê Périssé

Em 2020, o local foi atingido de maneira muito infeliz por queimadas causadas pela interferência humana. No Sesc Pantanal, a maior Reserva Particular do Patrimônio Natural do país, cerca de 93% da área acabou queimada pelo fogo. Até 2018, o bioma possuía o status de mais preservado do país, mas 30% de sua área total acabou destruída pelas chamas no ano passado.

- PUBLICIDADE -

Contudo, embora os estragos tenham sido gigantescos, a região começa a dar sinais de nova vida. Árvores frutíferas começaram a gerar alimento novamente em janeiro deste ano. Espécies como jatobá, jenipapo e outras fontes de alimento para animais como antas e araras frutificam na região do Sesc Pantanal novamente.

De acordo com a reserva, “os primeiros sinais de recuperação na unidade de conservação, deixam pesquisadores otimistas, mas cautelosos diante dos impactos em longo prazo dos incêndios florestais no bioma.”

Quais são as atrações turísticas do local?

O tuiuiú é um dos maiores símbolos do Pantanal. Foto por Andreas Trepte

Com um futuro mais otimista, turistas começam a ficar agitados para retornar ao local, mas o que pode ser feito na região? Certamente, o ecoturismo é o maior forte do mercado turístico do Pantanal.

Turistas podem se hospedar em fazendas com pensão completa e desfrutar de diferentes estilos de passeio. Além das famosas trilhas e safáris fotográficos, os viajantes têm a oportunidade de realizar passeios de barco ou a cavalo e participar de sessões de observação de aves. Turistas também podem pescar, mas somente em áreas autorizadas e controladas.

Para quem busca maior imersão, a região possui hospedagens que oferecem ao viajante uma experiência mais genuína do que é viver no Pantanal. Como resultado, turistas podem explorar a região e ainda realizar tarefas da rotina da fazenda.

Vale ressaltar que a oportunidade de conseguir souvenires incríveis também existe. O Centro Referencial da Cultura Terena/Museu do Índio comercializa cestaria, potes e panelas de barro genuínas para os seus visitantes.

Como chegar na localização?

Turistas podem viajar ao Pantanal de avião, mas em algum ponto precisarão de carros para poder se locomover entre locais. Os aeroportos da região estão localizados em Cuiabá e Campo Grande. Caso não deseje alugar um carro, algumas empresas de viação oferecem rotas entre Cuiabá e outros pontos importantes da região.

Vale ressaltar que para a opção de carro, o viajante deve tomar muito cuidado, pois o período de chuva pode ser muito delicado para viagens e gerar atoleiros; o ideal é contratar alguém que conheça a região, mas os melhores veículos para transitar são os 4×4.

Qual é a melhor época do ano para ir?

- PUBLICIDADE -

O Ipê amarelo é uma das árvores mais belas do Pantanal. Foto por Apremavi

Diversas agências e experts de turismo recomendam a viagem entre maio e setembro, pois a estiagem é o melhor período para ver animais pantaneiros. Além de facilitar a questão do transporte – afinal, não haverá estradas alagadas -, o turista poderá encontrar com facilidade animais em grupos. O período também coincide com a estação de acasalamento das aves; como resultado, os animais demonstram mais ainda a beleza de sua plumagem. 

Embora a paisagem natural torne-se marrom e árida pela falta de chuvas, agosto é o mês de florada dos ipês rosa e amarelos. Essa feliz coincidência torna a planície do Pantanal muito mais colorida e linda.

Comentários (0)
Comentar