Publicado em

O mercado medicinal da cannabis no Brasil – estimado em mais de R$ 4,7 bilhões ao ano – está na mira da indústria farmacêutica global. Os dados de um estudo econômico recente sobre a cannabis produzido pela Green Hub em parceria com a New Frontier Data, serão analisados pelo presidente da Knox Medical, Mario Grieco, durante o 39º Congresso Internacional da Propriedade Intelectual da Associação Brasileira da Propriedade Intelectual (ABPI), de 25 a 27 de agosto próximos, no Rio de Janeiro. Segundo ele, há mais seis mil estudos em andamento nos laboratórios, que superam US$ 1 bilhão ao ano, sobre a utilização da cannabis.

Proibição inibe pesquisa e novos...

Esse cálculo leva em conta o emprego da cannabis no tratamento de doenças como câncer, Parkinson, Alzheimer, transtornos psiquiátricos, doenças autoimunes e dores graves. “A falta de regulamentação e a proibição de cultivo local da cannabis inibem a pesquisa e o desenvolvimento de medicamentos inovadores à base da erva no Brasil”, diz Grieco. Apesar da falta de regulamentação, cerca de quinze mil pessoas no Brasil já utilizam produtos à base de cannabis medicinal. Uma parte dos usuários recorre à importação, permitida desde 2015, e outra , ao auto cultivo.

...medicamentos à base da erva no Brasil

Segundo o presidente da Knox Medical, além dos benefícios econômicos, a produção local poderia fazer com que mais de dois milhões de pacientes pudessem utilizar a erva no tratamento de várias doenças. “Temos um mercado reprimido de potenciais usuários, mas que irá se ampliar à medida que os estudos para novas indicações da cannabis medicinal estiverem concluídos”, analisa. Para o presidente da ABPI, Luiz Edgard Montaury Pimenta, as questões burocráticas no Brasil têm dificultado o ritmo de inovação por empresas no mercado nacional.

Recuperação da economia

“A recuperação da economia do País está fortemente ligada a investimentos em inovação”, diz Pimenta. Sob o tema “A propriedade intelectual no novo contexto geopolítico mundial”, o Congresso, o maior do gênero na América Latina, deverá receber cerca de 1.000 participantes, entre especialistas, magistrados, consultores, advogados, autoridades de governo e dirigentes de entidades internacionais – como a CTA – órgão de proteção da propriedade intelectual da China e a AIPPI – Associação Internacional de Propriedade Intelectual –, além de centros privados de pesquisa.

Mulheres na inovação

As mulheres, que hoje representam 49% do número de pesquisadores no Brasil, também ocupam espaço como CEOs em grandes empresas – IBM, Microsoft, SAP e GE. Apesar dos dados positivos, mesmo quando as mulheres têm um melhor nível de acesso à educação, os homens têm índices maiores de empregabilidade e recebem salários mais altos. O assunto será tema de debate no 8º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria, em São Paulo, 10 e 11 deste mês, promovido pela Confederação Nacional da Indústria. Pela primeira vez, o evento terá painel só com mulheres.

Evolução da jornada digital

Elcio Jorge dos Santos, presidente do Banco Votorantim: foco na melhoria do relacionamento com os colaboradores e clientes. (Foto: Divulgação)

Transformação que gera resultados. É assim que o Banco Votorantim define 2018 no Relatório Anual da companhia a ser lançado hoje. Além do lucro líquido que saltou de R$ 582 milhões em 2017 para R$ 1,1 bilhão e do ROE de 11,5%, ante 6,8% no ano anterior, o material apresenta os avanços na rentabilização dos negócios, no aumento da eficiência operacional e na diversificação das fontes de receitas. Destaca também a transformação cultural e digital da instituição, o reposicionamento da BV (marca de Varejo do Banco Votorantim), o lançamento da plataforma de esportes da BV, a intensificação das parcerias com fintechs e os investimentos socioambientais. “Em 2018, passamos por uma ampla evolução cultural e digital, que transformou a forma como nossos colaboradores se relacionam com o Banco, e melhorou a experiência dos clientes, que são o centro do nosso negócio. Esse processo nos levou a um novo patamar de resultado”, diz Elcio Jorge dos Santos, presidente do Banco Votorantim.

Parceria em seguros

A Alper Consultoria e Corretora de Seguros S.A. e a Associação Brasileira das Concessionárias Hyundai (AbrahY) fecharam parceria para a venda de seguros, principalmente o Seguro Auto. A meta é atingir R$ 100 milhões em prêmios de seguros nos próximos três anos. “Escolhemos a Hyundai porque ela é umas das maiores montadoras do país, com a produção de mais de 1 milhão de HB20, modelo líder no mercado”, diz o presidente da Alper Consultoria em Seguros, Marcos Couto, acrescentando que o objetivo é ter participação de 30% na carteira de seguros da rede Abrahy,com a comercialização de todos os produtos, como auto, incêndio, saúde, extensão de garantia, entre outros. “Em auto, essa parceira deve gerar uma representatividade em torno de 15%”, afirma. No futuro, a Alper planeja criar novos modelos com canais alternativos, buscando inovar na distribuição de produtos e serviços, com condições competitivas e diferenciadas.

Crédito consignado

Com diferentes modalidades de crédito para pessoa física, o Itaú Unibanco segue com a estratégia de atender às demandas dos clientes por opções com taxas mais atrativas, como o caso do Consignado. No primeiro trimestre de 2019,o banco registrou crescimento de 23% na concessão dessa linha no estado de São Paulo, em comparação com o mesmo período do ano passado. Um dos líderes do mercado na oferta de Consignado, o banco possui uma carteira total no país de mais de R$ 48 bilhões.

Criações de peixes são criticadas...

Maria Lettini, diretora-executiva da Fairr: desafio é abastecer a demanda global por proteínas dentro das limitações naturais do planeta. (Foto: Divulgação)

Setor agropecuário que mais cresce no mundo, quase 6% ao ano, a aquicultura parece resolver a equação entre pesca predatória e crescente demanda por peixes para alimentação humana. No Brasil, o avanço foi de modestos 4,5% em 2018.  Desde 2014, já produz mais volume para o consumo do que a pesca. Mas as criações de peixes representam um mar de riscos para o ambiente e para a sociedade, aponta estudo global inédito produzido pela FAIRR Initiative, coalização de grandes investidores que estuda a sustentabilidade nos negócios. As fazendas representam ameaças a espécies selvagens porque uma parcela dos cardumes escapa dos cativeiros. Além disso, as criações são alimentadas com farinha e óleo de peixe, que são produzidos a partir de peixes selvagens. No ritmo de crescimento da demanda, até 2050 as fazendas de peixes acabarão consumindo mais peixe selvagem do que os seres humanos, aponta o relatório.

...por ameaçar espécies selvagens

Como alternativa, os produtores vem buscando rações produzidas à base de grãos ou oleaginosas, como a soja, por sua vez associada a desmatamento e trabalho escravo. "Recentemente, companhias de aquicultura foram associadas a plantações de soja no Brasil que foram implicadas em desmatamento ilegal da Amazônia, alegamente fazendo uso de trabalho escravo (Rainforest Foundation Norway, 2018)." Maria Lettini, diretora-executiva da Fairr, afirma que, "para atingir métodos de produção sustentáveis, todas as commodities - incluindo a soja - têm de enfrentar o desafio de abastecer a demanda global por proteínas dentro das limitações naturais do planeta. Para o setor de criações de peixes, os desafios são os mais agudos. De efluentes a emissões, a aquicultura tem de lidar com desafios ambientais e de saúde pública se desejam prosperar no longo prazo."

Soffredini de volta aos palcos

A trama se confunde com a história da peça que os atores interpretam. (Foto: Gabriela Rocha)

De amanhã a domingo (9), o Itaú Cultural recebe a temporada de estreia do espetáculo “Vem Buscar-me que Ainda Sou Teu”, nova produção do Núcleo de Estética Teatral Popular – ESTEP. A peça reúne no palco o elenco encabeçado pela atriz Bete Dorgam e seis músicos para contar a trama de uma companhia confundida com a da peça que eles interpretam. O texto é de Carlos Alberto Soffredini (1939-2001), um dos expoentes do teatro moderno no Brasil, com direção de Renata Soffredini, filha do dramaturgo. Em 2019, Soffredini, completaria 80 anos de nascimento, e neste mesmo ano é comemorado 40 anos da primeira montagem de “Vem Buscar-me que Ainda Sou Teu”, que aconteceu em 1979. No último dia da temporada da estreia da peça, Renata Soffredini mediará a palestra A Dramaturgia de Carlos Alberto Soffredini, com a doutora em letras pela Universidade de Campinas (UNICAMP) Eliane Lisboa.

 

Liliana Lavoratti é editora de Fechamento - liliana@dci.com.br