Funcionários do Google formam um novo sindicato nos EUA

Funcionários dizem que desejam estar em um local de trabalho “sem medo de abuso, retaliação ou discriminação”

Funcionários do Google formam um novo sindicato. Para isso, eles se juntaram aos funcionários da Waymo, Verily e outras empresas da Alphabet.

Na última segunda-feira (4)  os líderes do sindicato divulgaram um artigo de opinião no New York Times. De acordo com o artigo, eles querem estar em um local de trabalho “sem medo de abuso, retaliação ou discriminação”.

Além disso, eles acusam o  Google de abandonar sua fundação “não seja mal” na atual ética de projetos de inteligência artificial (IA).

Em seu site, o novo sindicato disse que estaria “aberto a todos os funcionários e contratados de qualquer empresa da Alphabet” (120.000 pessoas no total). Bem como acrescentaram que querem o fim das “disparidades injustas” entre funcionários ocasionais e benefícios pagos integralmente à todas as equipes.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

“Alguns executivos ricos definem o que a empresa produz e como seus trabalhadores são tratados. Esta não é a empresa para a qual queremos trabalhar”, escreveu o presidente do sindicato Parul Koul e o vice-presidente Chewy Shaw.

 

Google e racismo
Imagem: Reprodução / iStock

Funcionários do Google formam um novo sindicato

A diretora de operações de pessoal do Google, Kara Silverstein, respondeu na segunda-feira: “Sempre trabalhamos muito para criar um local de trabalho gratificante e de suporte para nossa força de trabalho”.

Bem como acrescentou que o Google continuaria “se envolvendo diretamente com todos os nossos funcionários”.

A formação do novo sindicato, que terá filiação com o Communication Workers of America, foi parte de uma “crescente chibatada” contra as gigantes da tecnologia, disse Darrell West, diretor de estudos de governança da Brookings Institution em Washington e autor premiado de livros sobre IA e o futuro do trabalho.

“Este movimento de sindicalização difere dos anteriores da era industrial. Ele não foca apenas em salários e benefícios, mas no papel mais amplo da tecnologia na sociedade”, disse West. 

 

Acusações de racismo

Os líderes do sindicato também citaram a demissão no início de dezembro da pesquisadora de ética da inteligência artificial, Timnit Gebru, em uma disputa sobre os perigos sociais da IA ​​e seu questionamento do histórico do Google sobre diversidade.

Assim, mais de 1.200 funcionários do Google assinaram uma carta aberta chamando sua demissão de “censura de pesquisa sem precedentes”. Além disso, também acusaram a empresa de racismo.

Informar Erro
Fonte DW

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes