Governo antecipa volta do IOF para custear apagão do Amapá

A antecipação do IOF foi decidida por MP. A isenção era prevista até 31 de dezembro, durante o período de calamidade pública nacional.

O período de isenção do IOF chegou ao fim. Antecipada por causa do apagão no Amapá, o Imposto sobre Operações Financeiras voltará antes do previsto, hoje (26). Sendo assim, linhas de créditos, câmbios e seguros terão a incidência do tributo.

A isenção do IOF foi uma medida para facilitar o acesso à linhas de crédito para empresas, como o Pronampe e o Peac-Maquininhas, mas também para pessoas físicas . Dessa forma, a taxa de 0,0% ficaria em vigor durante o período de calamidade pública, ou seja, 31 de dezembro.

Contudo, os recursos com a  arrecadação do tributo custeará a tarifa de energia elétrica para moradores do Amapá. Isso porque o estado sofreu 22 dias com o apagão e prejudicou 765 mil moradores.

Ao todo,  a liberação de R$ 80 milhões para o Ministério de Minas e Energia se destina para garantia de gratuidade de contas de luz nos últimos 30 dias para amapaenses.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Nesta quarta-feira (25), o presidente Jair Bolsonaro editou a Medida Provisória que isentou os moradores amapaenses de pagar essa conta de luz. Com ele, na cerimônia em Brasília, estava também Davi Alcolumbre, presidente do Senado.

O que é IOF?

O IOF é a sigla de Imposto sobre Operações Financeiras. Sendo assim, uma taxa tributária sobre operações de crédito, como empréstimo e financiamento. Mas também, em contratos de seguros, câmbio de moedas e nos cartões de crédito.

Além disso, a taxa IOF influencia operações titulares e de valores imobiliários, ou seja, ações na bolsa de valores e fundos imobiliários.

Em suma, é um imposto federal e tem como intuito regular a economia. O percentual de tributação varia de acordo com o tipo de operação de crédito. Como por exemplo, para financiamento e empréstimo, o IOF está entre 0,38% e 3,38%. Já para seguros, a taxa deve ser de até 25% e para câmbio de moeda, 1,1% sobre o total.

A alíquota  pode mudar a qualquer momento sem passar pelo Congresso Nacional, o que facilita o governo a controlar essas transações.

 

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes