Brasil x Uruguai: 5 jogos inesquecíveis entre os rivais

Poucos clássicos entre seleções no mundo têm tanta história quanto Brasil x Uruguai; relembre os jogos que alimentaram essa rivalidade

Entre jogos de eliminatórias, decisões de Copa América e até uma final de Copa do Mundo, Brasil e Uruguai já se enfrentaram 76 vezes na história. A seleção brasileira leva vantagem com 36 vitórias, 20 derrotas e 20 empates. No entanto, os uruguaios sempre deram trabalho.

O próximo capítulo dessa história será escrito nesta terça-feira (17), em Montevidéu, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022. O Brasil não perde para o Uruguai desde 2001, quando a seleção que ganharia o penta foi derrotada por 1 a 0 no Estádio centenário. Ou seja: a geração de Suárez e Cavani nunca teve a sensação de vencer os pentacampeões mundiais.

Aliás, na última vez em que o Brasil foi ao Centenário enfrentar o Uruguai, Paulinho fez três gols e a equipe de Tite goleou por 4 a 1. Por outro lado, apesar de levar vantagem no retrospecto geral e também nos títulos de Copa do Mundo, a seleção brasileira está bem atrás no número de conquistas continentais. Enquanto os uruguaios colecionam 15 títulos de Copa América, os brasileiros têm apenas nove.

História de Brasil x Uruguai

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Mas a importância do duelo entre Brasil e Uruguai vai muito além dos números. Afinal, as duas seleções já protagonizaram jogos épicos, com muita história para contar. Veja a seguir, portanto, os cinco jogos inesquecíveis entre a celeste e a amarelinha.

Final da Copa de 50

O eterno Maracanazo premiou a superação e a raça da seleção uruguaia diante do favoritismo escancarado do Brasil, que jogava em casa e vinha atropelando seus adversários. Apesar de ter entrado para a história como a “final” da Copa de 1950, aquele jogo, na verdade, foi o encerramento do quadrangular final. E a seleção brasileira só precisava de um empate para confirmar o título.

Assim, o recém-inaugurado Maracanã ficou abarrotado com quase 200 mil torcedores na expectativa por uma festa brasileira. Quando Friaça abriu o placar para o time da casa, o título parecia inevitável. Faltou, no entanto, combinar com Ghiggia e Schiaffino, os autores dos gols que deram a virada e o bicampeonato mundial para o Uruguai.

Semifinal da Copa de 1970

Brasil x Uruguai na Copa de 1970
Acervo CBF

Vinte anos depois do fatídico Maracanazo, Brasil e Uruguai voltaram a se enfrentar em uma Copa do Mundo. O jogo valia uma vaga na final da Copa de 1970. A seleção brasileira saiu perdendo, mas contava com o lendário esquadrão de Pelé, Tostão, Rivellino, Jairzinho e companhia.

Depois de tanto pressionar, o gol do empate saiu com Clodoaldo. Jairzinho virou o jogo, e Rivellino deu números finais ao placar após completar jogada de Pelé. O camisa 10 ainda quase marcou um golaço após tirar o goleiro adversário da jogada com um drible de corpo. O Brasil avançou à final e ficou com o título após passar pela Itália.

Copa América de 1989

Brasil e Uruguai no Maracanã, valendo título. A lembrança do Maracanazo poderia intimidar alguns jogadores, mas não o craque Romário. Foi dele o gol da vitória e do título da Copa América de 1989. O Baixinho marcou de cabeça e espantou o fantasma de 1950 – pelo menos por enquanto.

Eliminatórias da Copa de 1994

Romário marca contra o Uruguai
Reprodução

O maior jogo de Romário contra o Uruguai, no entanto, foi na rodada final das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 1994. O Brasil fazia uma campanha irregular, e precisava pelo menos empatar contra o Uruguai para carimbar a vaga. Após o corte de Müller, o técnico Carlos Alberto Parreira cedeu à pressão popular e finalmente convocou o Baixinho para a partida decisiva.

Romário, então, simplesmente acabou com o jogo. Além de infernizar a defesa uruguaia com seus dribles e arrancadas, ele fez os dois gols da vitória que assegurou a presença da seleção brasileira no Mundial dos Estados Unidos. Para completar, o camisa 11 ainda seria o principal jogador da conquista do tetra.

Copa América de 1995

Uma final emocionante e disputada, que representa muito bem a história do confronto. Assim foi a decisão da Copa América de 1995 entre Brasil e Uruguai. Ainda nas quartas, a seleção brasileira eliminou a Argentina após o célebre gol de Túlio Maravilha, que “tirou a bola para dançar” com o braço.

Na final contra o Uruguai, que jogava em casa, Túlio abriu o placar. Mas o Brasil não conseguiu segurar o forte ataque comandado pelo lendário Enzo Francescoli. Assim, Bengoechea empatou, e a decisão do título foi para os pênaltis. Mas Túlio desperdiçou sua cobrança, e os uruguaios comemorarm o título no Estádio Centenário.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes