Bolsonaro dá indireta a Doria e diz que ‘vacina é do Brasil’

Em sua declaração dada nesta segunda (18), Bolsonaro disse que a vacina ‘não é de nenhum governador’.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) quebrou o silêncio nesta segunda-feira (18) sobre a aprovação do uso emergencial da vacina CoronaVac. Ele disse que “não tem o que mais discutir” e mandou uma indireta para João Doria (PSDB), um dos maiores apoiadores do imunizante produzido pelo Instituto Butantan em parceria com a Sinovac.

“A Anvisa aprovou, não tem o que discutir mais. Agora, havendo disponibilidade no mercado, a gente vai comprar e vai atrás de contratos que fizemos também, que era para ter chegado aqui. Então, está liberada a aplicação no Brasil. E a vacina é do Brasil, não é de nenhum governador, não”, afirmou Bolsonaro para a imprensa.

A tarde do último domingo (17) foi histórica para o país, que luta contra a pandemia da Covid-19 desde março do ano passado. Isso porque a primeira dose da vacina brasileira foi aplicada na enfermeira Mônica Calanzas, entretanto, Bolsonaro não marcou presença na ocasião que aconteceu no Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Plano de vacinação no estado de São Paulo. Campanha 'Vacina Já'
(Foto: Governo do Estado de São Paulo/Divulgação)

Além da CoronaVac, o imunizante Oxford/AstraZeneca também foi autorizado pela Anvisa. O governo de Bolsonaro encomendou 2 milhões de doses da vacina, que ainda não chegaram no país. O avião que buscaria a vacina em Mumbai, na Índia, no dia 15 de janeiro, não chegou a sair do solo brasileiro.

Para o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Índia, Anurag Srivastava, o momento é “muito cedo” para falar sobre exportação de vacinas para outros países. Bolsonaro disse que a culpa do atrasado foi por causa de “pressões políticas” do país asiático.

Leia também

VÍDEO: Bolsonaro encerra entrevista após pergunta sobre…

Nova companhia área começa a operar em março no Brasil

Afinal, Bolsonaro não é a favor da vacina brasileira?

O presidente já fez uma série de declarações polêmicas sobre a CoronaVac, conhecida por ser a “vacina do Brasil”. Com o intuito de competir na corrida eleitoral ano que vem, e a fim de garantir seu segundo mandato como presidente do país, Bolsonaro e Doria devem disputar as eleições de 2022.

- PUBLICIDADE -

Em um vídeo vazado na web no último domingo (17), Bolsonaro mandou um recado quente para o governador de São Paulo, entretanto, a gravação não é atual, mas sim de outubro do ano passado.  “Querido governador de São Paulo, sabe que sou apaixonado por você. Sabe disso, poxa… Fica difícil, né? E outra coisa, ninguém vai tomar tua vacina na marra não, tá ok? Procura outro. E eu, eu que sou o governo, o dinheiro não é meu, é do povo, não vai comprar tua vacina também não, tá ok? Procura outro pra pagar a tua vacina aí”, declarou.

Jair Bolsonaro também é contra a obrigatoriedade da vacina no país. Tal opinião vai contra o que pensa o Supremo Tribunal Federal (STF) e até mesmo João Doria. Em dezembro do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a “aplicação de medidas restritivas” para quem se recusar a entrar no programa de vacinação contra a Covid-19.

Em seu discurso neste domingo (17), Doria mandou indiretas para Bolsonaro e disse que o dia foi de “triunfo contra os negacionistas da vacina”.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes