Eleições 2020: eleitor não pode ser preso até 48 horas após 1º turno

De acordo com o TSE, esta determinação está no Código Eleitoral (Lei nº 4.737/1965).

Nesta terça-feira (10), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou em nota que os eleitores não poderão ser presos e ou detidos até 48 hrs do término do primeiro turno das eleições 2020. A medida está prevista no art. 236, da lei nº 4.737/1965, do Código Eleitoral, e começa sempre cinco dias antes do dia da votação.

Na ocorrência qualquer prisão que não se encaixe nas exceções, o preso será imediatamente conduzido à presença do juiz competente que, após verificar a ilegalidade da detenção, imputará culpa ao coator. Ainda, o eleitor tem liberdade, neste período, para denunciar e abrir processo de investigação contra os responsáveis da detenção.

Veja também: como consultar o título de eleitor pelo nome ou CPF!

Casos em que o eleitor pode ser preso – Eleições 2020

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Veja quais são as exceções para esta regra:

  • Eleitores pegos em flagrante – se for surpreendido cometendo um crime ou recentemente;
  • Eleitores que recebam sentença criminal condenatória por crime inafiançável, ou seja, pela prática de racismo, tortura, tráfico de drogas, crimes hediondos, terrorismo ou infração da Constituição;
  • Autoridades que desobedecerem esta lei sem que a detenção esteja prevista nas exceções. Neste caso, ficarão detidos por até cinco dias.

De acordo com o TSE, “a proteção contra detenções durante o período eleitoral também vale para membros de mesas receptoras de votos e de justificativas, bem como para fiscais de partidos políticos. Já os candidatos estão protegidos legalmente contra prisão desde o dia 1º de novembro, a menos que sejam pegos em flagrante ato criminoso.”

Veja também: como consultar os candidatos a vereador nas eleições 2020!

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes