Saiba com o aumento de 39% do gás natural vai afetar seu bolso

A Petrobras anunciou um reajuste de 39% no preço do gás natural vendido às distribuidoras, válido a partir de 1º de maio. Após aumentos de 46.2% da gasolina, 41,6% do diesel e 17% do gás de botijão, o reajuste no gás natural deve gerar grande impacto no bolso dos brasileiros. Entenda os diferentes caminhos que o reajuste percorrerá até chegar ao seu bolso.

Os caminhos diretos e indiretos do reajuste até o seu bolso

No Brasil, apenas 8% das famílias usam o gás natural encanado. Dessa forma, será que 91% das famílias que usam gás de botijão para cozinhar não serão impactadas?
Especialistas explicam a influência do gás natural como insumo crítico da indústria de transformação e da geração de energia termelétrica. Além disso, exploram os caminhos indiretos para explicar que todos os brasileiros serão prejudicados pelo aumento de quase 40% no gás natural.
  • Repasse Direto: consumidores que usam gás encanado nos fogões e aquecedores de chuveiros. O repasse acontecerá à medida que os reajustes anuais das distribuidoras estaduais forem autorizados pelas agências reguladoras. Esse impacto é mais restrito às famílias de maior renda que moram na região Sudeste (91% do gás encanado residencial consumido no país).
  • Repasse Indireto: afeta todos os consumidores de bens industriais e de energia elétrica. Veja a seguir quais são os setores industriais que mais consomem gás natural e que devem repassar o aumento de custo de produção nos seus produtos.

Quem usa gás natural no Brasil?

O gás natural atende principalmente a indústria (43%) e a geração de energia elétrica (38%). Além disso, os veículos movidos a gás respondem por cerca de 9%. Por fim, as residências detém apenas 2% do consumo do combustível no país, conforme dados de 2020 da Abegás.

Os segmentos industriais que mais consomem gás em seu processo produtivo estão fertilizantes, siderurgia, vidro, papel e celulose, química, cerâmica, cimento e alumínio. Os produtos destinados a exportação possuem pouca margem de repasse, devido à competição global. No entanto, os produtos voltados para o mercado interno deve sentir os repasses e impactar a inflação. Por exemplo, através do aço que vai entrar no automóvel, do vidro que vai fabricar a garrafa e assim por diante. O consumidor no final da cadeia paga o preço mais alto.

No setor elétrico, a alta do gás natural afetará as termoelétricas. Dada a crise hídrica e baixo nível dos principais reservatórios do sudeste, o despacho de energia dessas usinas ficará ainda mais caros. O repasse acontecerá através das bandeiras tarifárias e dos reajustes tarifários. Enfim, as contas de luz devem ficar ainda mais caras.

 

Por que um aumento de 39% no gás natural agora?

Três fatores motivaram o aumento anunciado do gás natural:

  1. a alta recente do petróleo,
  2. a taxa de câmbio e
  3. o reajuste da parcela do preço referente ao transporte do gás pelo IGP-M

Uma vez que o reajuste do gás natural é  trimestral, vamos avaliar como esses 3 fatores represaram aumentos, que estão sendo repassados agora.

Entre janeiro e março, o preço do petróleo teve alta de 38%. Os preços acompanharam o retorno da demanda mundial que se recupera mais rápido que nós.

O dólar encerrou 2020 cotado a R$ 5,19 e está agora no patamar entre R$ 5,65. Portanto, com valorização de cerca de 9% em relação a moeda local. De fato, a resposta vacilante à pandemia e o aumento do deficit público motivaram a desvalorização cambial e afastamento de investimentos estrangeiros.

Por último, o IGP-M, índice de inflação teve alta de 31% em 12 meses até março.

Veja como se proteger do aumento da conta de luz e das bandeiras tarifárias

Você sabia que muitas famílias e empresas estão buscando formas alternativas de gerar sua própria energia elétrica? A energia solar ganha destaque no setor de geração distribuída. Afinal já são mais de 570 mil consumidores em mais de 5.277 municípios brasileiros gerando sua própria energia. 98% utilizam energia solar.

A novidade é a modalidade de energia solar por assinatura que possibilita famílias e empresas gerarem sua própria energia, sem investimentos e sem dor de cabeça. A SUNWISE, por exemplo, oferece suas fazendas solares construídas nos locais de maior irradiação solar do estado de Minas Gerais para centenas de consumidores residenciais, comerciais e industriais.

Enfim, vale a pena estar atento aos aumentos de preços que devem impactar o orçamento das famílias e das empresas em 2021. Existem diversas opções de eficiência energética e geração distribuída que podem ajudar a evitar desperdícios e reduzir o impacto nos bolsos dos brasileiros.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes