O Dilema das Redes: 5 coisas que você precisa saber sobre as mídias sociais

Em documentário lançado pela Netflix, o diretor Jeff Orlowski expõe segredos e levanta uma discussão polêmica sobre as estratégias de manipulação das redes sociais.

O documentário O Dilema das Redes vem causando muita discussão desde que entrou para o catálogo da Netflix há cerca de um mês. O filme, que tem a direção de Jeff Orlowski, faz um alerta sobre o perigo do uso das redes sociais e seus efeitos sobre a sociedade.

Para isso, conta com depoimentos de especialistas em tecnologia e estudiosos de áreas como psicologia. Mas seu grande trunfo são as revelações de ex-funcionários de Google, Facebook, Twitter, Instagram e YouTube. Eles detalham as estratégias das empresas para manipular bem como viciar os usuários. O resultado são questões como ameaças à democracia, extremismos políticos e desinformação.

O Dilema das Redes mostra, além disso, como cada passo dentro do universo on-line é observado e rastreado. Assim, as companhias usam as informações para prever o comportamento humano e estimular suas decisões, sobretudo voltadas para gerar cada vez mais lucro.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

5 coisas importantes que você precisa saber sobre as redes sociais

dilema das redes
Imagem: divulgação / Netflix

 

Como funciona o modelo de negócio das redes sociais

 

Em uma das entrevistas de O Dilema das Redes, Tristan Harris, ex-designer do Google, diz que “se você não está pagando pelo produto, então você é o produto”. A frase tem a ver com o modelo de negócio das empresas de internet.

Isso porque as plataformas podem até ser gratuitas, mas seus donos não figuram entre os maiores bilionários do mundo à toa. Ou seja, de acordo com o filme, existe, sim, um preço a se pagar por elas. A mercadoria é simples: a atenção do usuário. Na prática, isso significa mantê-lo conectado pelo maior tempo possível.

É por isso que as redes sociais são recheadas de reproduções automáticas e publicações sugeridas. Assim, é mais fácil vender anúncios. E não estamos falando de qualquer anúncio. Afinal, elas monitoram as jornadas virtuais justamente para transformar dados em propagandas pensadas especialmente para cada pessoa.

 

O Dilema das Redes: como elas viciam os usuários

 

Dizer que as redes sociais viciam pode parecer exagero, mas, de acordo com o executivo John Matze, é isso que elas fazem. “Os únicos que chamam clientes de usuários são redes sociais e traficantes de drogas”, diz o criador da plataforma Parler.

Com o intuito de prender a atenção das pessoas, as empresas criam ferramentas cada vez mais inteligentes. Tudo nas mídias é desenhado com esse objetivo, da escolha das cores até a disposição das informações na tela. Nada está ali por coincidência.

É o caso das notificações e da rolagem automática. O recurso torna a vivência na rede quase infinita. Por outro lado, curtidas e comentários são essenciais para estimular a interação entre as comunidades. Ao mesmo tempo, aumentam a dependência dos usuários.

O efeito bola de neve é lucrativo para os donos das redes sociais, visto que mais pessoas consomem seus anúncios enquanto passam mais horas conectadas.

 

Psicologia aliada à tecnologia

documentário Netflix sobre redes sociais
Imagem: reprodução / Unsplash

 

Durante seus mais de 90 minutos, O Dilema das Redes escancara como as big techs manipulam as emoções dos usuários. De acordo com os especialistas, o que elas fazem é usar recursos de psicologia a seu favor.

O sistema de recompensas é o mais famoso. É por isso que curtidas e comentários positivos são tão importantes, pois geram sensação de bem-estar. Ou seja, elevam os níveis de dopamina, hormônio que regula diferentes funções do organismo, inclusive o prazer e o humor.

O problema é que, como resultado, muitas pessoas se tornam dependentes tanto da exposição de suas vidas quanto da validação alheia. Isso pode levar a quadros de ansiedade e depressão.

Entre as dicas sugeridas pelo filme para escapar desse cenário estão desabilitar todas as notificações do celular e não assistir a vídeos sugeridos ou clicar em anúncios.

 

Ausência de regulamentação nas redes sociais

Quando se fala em publicidade, a maior parte das mídias conta com regulamentação própria. Assim como acontece com a televisão. No entanto, as redes sociais ainda engatinham nesse sentido.

De acordo com o documentário, os efeitos da exposição aos anúncios podem ser desastrosos, sobretudo para o público infanto-juvenil. Em dado momento, o psicólogo social Jonathan Haidt faz uma chocante relação entre o aumento de casos de depressão e ansiedade entre crianças e adolescentes e a popularização das redes sociais.

Além disso, nos últimos anos, houve também aumento expressivo do número de suicídios entre esse público. Nos Estados Unidos, essa se tornou a segunda principal causa de mortes dos 12 aos 18 anos, perdendo apenas para os acidentes. Por isso, o filme aconselha controle sobre o uso das redes sociais e acesso somente a jovens acima dos 16 anos.

 

O fenômeno das fake news é um dilema das redes

Outro ponto negativo que O Dilema das Redes elenca é o crescimento da desinformação. As chamadas fake news se propagam seis vezes mais rápido que notícias verdadeiras. Os dados são do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).

O documentário alega que isso é reflexo direto de sistemas que privilegiam notícias falsas porque são muito mais lucrativas. A situação pode ser crítica, principalmente em situações como a pandemia do Coronavírus e períodos de eleição. Para os executivos, a polarização política e as notícias falsas ajudaram a eleger líderes populistas, como o presidente Jair Bolsonaro.

 

Facebook diz que ‘Dilema das Redes’ é sensacionalista

 

Depois da repercussão de Dilema das Redes, o Facebook decidiu apresentar sua resposta. Assim, publicou, em seu site oficial, uma carta em que chama o documentário de sensacionalista. Além disso, diz que o filme distorce a forma como as redes sociais funcionam.

O documento gira em torno de sete temas principais. Entre eles estão vício no uso das redes, algoritmos, eleições e desinformação. A empresa rebate as críticas e se defende das acusações que do filme.

Sim, as redes sociais têm problemas, admite o Facebook. A carta se refere à posição da rede, em 2016, durante a eleição de Donald Trump e do referendo que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia. Nas duas ocasiões a plataforma serviu como palco para informações falsas e interferências.

No entanto, a carta diz que O Dilema das Redes não abre espaço para explicar o trabalho e as medidas da empresa para combater tais questões. Além disso, alega que seus produtos e algoritmos não têm o propósito de viciar os usuários. O Facebook informa ainda que já fez mudanças em prol da privacidade das pessoas e que investe na luta contra as fake news.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes