Por que 1 de abril é o Dia da Mentira? Conheça a origem da data

A data ganhou diferentes versões ao longo dos anos, mas o que é verdade?

No Brasil, o dia 1 de abril é popularmente conhecido como Dia da Mentira, também chamado de Dia dos Bobos em outros países, como os Estados Unidos. Nessa data, as pessoas costumam contar mentiras ou pregar peças em conhecidos como forma de se divertir. Mas, por que 1 de abril é o Dia da Mentira? Saiba mais sobre as origens da data.

Quando é o Dia da Mentira 2022?

O Dia da Mentira sempre ocorre no dia primeiro de abril. Em 1561, um poeta flamengo escreveu alguns versos cômicos sobre um nobre que envia seu servo para lá e para cá em tarefas ridículas em preparação para uma festa de casamento (o título do poema se traduz aproximadamente como “Refrão no dia da missão / que é o primeiro de abril” ). A primeira menção do Dia da Mentira na Grã-Bretanha foi em 1686, quando o biógrafo John Aubrey descreveu o 1º de abril como um “dia santo dos tolos”.

É claro que o hábito de enviar caipiras da primavera em uma “tarefa de tolo” era desenfreado na Europa no final dos anos 1600. No Dia da Mentira de 1698, tantos idiotas foram levados à Torre de Londres para assistir à “lavagem dos leões” (uma cerimônia que não existia) que a edição de 2 de abril de um jornal local teve que desmascarar a farsa – e zombar publicamente dos schmoes que caíram nessa.


Por que 1 de abril é o Dia da Mentira?

A origem do dia 1 de abril como Dia da Mentira possui diferentes versões, não tendo até hoje uma comprovação exata até hoje. Alguns historiadores especulam que o Dia da Mentira remonta a 1582, quando a França mudou do calendário juliano para o calendário gregoriano , conforme solicitado pelo Concílio de Trento em 1563. No calendário juliano, como no calendário hindu, o ano novo começou com o equinócio da primavera por volta de 1º de abril.

Os franceses que demoraram para saber da novidade ou apenas se recusaram a reconhecer a nova data, continuaram celebrando a chegada do novo ano durante os últimos dias de março e o dia 1 do mês seguinte, já que as celebrações costumavam durar uma semana. Em função disso, passaram a ser ridicularizados com piadas e trotes, assim como serem chamados de “bobos de abril”. Entre as pegadinhas estava, por exemplo, o envio de presentes estranhos e convites para festas inexistentes. 

A prática se concretizou ao redor de todo o país, posteriormente migrando para outros locais da Europa, chegando à Grã-Bretanha no século 18. Na Escócia, a tradição se tornou um evento de dois dias, começando com a prática “caçando o gowk” (a expressão “gowk” simbolizaria uma pessoa tola), em que eram enviados falsos recados para as pessoas, seguido pelo “Tailie Day”, que envolvia pegadinhas nos traseiros dos outros, como pregar rabos falsos ou avisos escrito “me chute”. 


Hilaria na Roma Antiga

Os historiadores também ligaram o Dia da Mentira a festivais como Hilaria (latim para alegre ), que era celebrado na Roma antiga no final de março pelos seguidores do culto de Cibele. Envolvia pessoas vestindo disfarces e zombando de concidadãos e até magistrados e dizia-se que era inspirado na lenda egípcia de Ísis, Osíris e Seth.

Equinócio Vernal e Dia da Mentira

Também há especulações de que o Dia da Mentira estava ligado ao equinócio da primavera , ou primeiro dia da primavera no Hemisfério Norte, quando a Mãe Natureza enganou as pessoas com mudanças climáticas imprevisíveis.

História do Dia da Mentira

O Dia da Mentira se espalhou por toda a Grã-Bretanha durante o século 18. Na Escócia, a tradição tornou-se um evento de dois dias, começando com “caçando o gowk”, em que as pessoas eram enviadas em falsos recados (gowk é uma palavra para pássaro cuco, um símbolo para tolo) e seguido pelo Tailie Day, que envolveu pegadinhas nos traseiros das pessoas, como pregar rabos falsos ou sinais de “me chute” neles.


 

Principais pegadinhas do dia 1 de abril

Entre os diferentes tipos de pegadinhas que já foram feitos no Dia da Mentira, alguns são lembrados até hoje. Confira 3 mentiras históricas do dia 1 de abril:

1957: Espaguete cresce em árvores

No dia 1º de abril de 1957, a BBC transmitiu a história de uma família de agricultores suíços que colhia longos fios de macarrão diretamente de suas árvores de espaguete. Na época, na Inglaterra, esse tipo de massa ainda era considerado uma iguaria exótica, por isso muitos espectadores acreditaram na reportagem. A BBC ainda teria sugerido: “Coloque um raminho de espaguete em uma lata de molho de tomate e espere pelo melhor”.

1962: As televisões usam meia-calça

Em 1962, no Dia da Mentira, um suposto especialista técnico do único canal de televisão da Suécia fez um grande anúncio. Ao esticar um par de meias de nylon e colá-lo sobre a tela da TV, ele relatou que os espectadores poderiam assistir à transmissão usual, na época em preto e branco, em cores vibrantes. Diversos proprietários de televisão correram para implementar o truque, mas ficaram desapontados quando a única coisa que aconteceu foi escurecer a imagem. A transmissão regular em cores estrearia na Suécia no dia 1º de abril de 1970. 

1998: Os canhotos ganham seu próprio hambúrguer

Em um anúncio no jornal USA Today, em 1998, o Burger King revelou que tinha um novo item no cardápio, desenvolvido especialmente para pessoas canhotas: o Whopper para canhotos. De acordo com a rede de fast food, os condimentos do hambúrguer foram girados 180º para melhor atender aos 1,4 milhão de canhotos que frequentavam suas lanchonetes. Milhares de clientes pediram o novo lanche, engolindo, no fim, um Whopper do Dia da Mentira.

Leia também:

O que é o dia de São Patrício e a importância da cor verde

Você pode gostar também