Campanha da Fraternidade 2021 critica governo e promove inclusão

Documento tradicional da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil traz assuntos relevantes e polêmicos em sua Campanha da Fraternidade 2021. Texto gerou revolta da camada conservadora da Igreja Católica.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), uma das maiores instituições católicas do país, lançou a sua campanha anual no último dia 12 de fevereiro, e desta vez o tema escolhido foi “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor”, e trouxe debates sobre o apoio a grupo de minorias, como o movimento LGBQTia+, negros, indígenas, entre outros. A Campanha da Fraternidade de 2021 também fez críticas ao negacionismo da ciência em meio a pandemia da Covid-19.

O lema da campanha, segundo o CNBB, é “Cristo é a nossa paz. Do que era dividido fez uma unidade”, e esta é a primeira vez que  Campanha de Fraternidade, importante na história da evangelização do Brasil, levanta pautas como essas. “A CFE 2021 quer convidar os cristãos e pessoas de boa vontade a pensarem, avaliarem e identificarem caminhos para a superação das polarizações e das violências que marcam o mundo atual”, afirmou a CNBB em nota oficial divulgada no site.

O que é a Campanha da Fraternidade?

Campanha da Fraternidade 2021
Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)/Divulgação

A confederação que representa os bispos do país lança, todo ano, um tema como Campanha da Fraternidade nas Quarta-feiras de cinzas. Desta vez, o mote do texto traz “fraternidade” e “diálogo” em meio a uma sociedade polarizada, tanto no aspecto político, quanto nos “valores”.

O assunto apresentado em cada campanha normalmente é difundido nas celebrações e programações da comunidade religiosa ao longo do ano. Mas a adesão à campanha não é obrigatória. Desde o ano 2000, a escolha do tema acontece de modo ecumênico, ou seja, a busca pela união apesar das diferenças.

Campanha da Fraternidade 2021

O documento publicado pelo CNBB neste ano, que traz o tema “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor”, causou controvérsias entre os religiosos conservadores, já que a campanha fala sobre a negação da ciência durante a pandemia, fazendo alusão ao atual governo de Bolsonaro,  critica as Igrejas que não respeitam o distanciamento social, e, por fim,  discorre sobre a “cultura da violência” contra mulheres, negros, indígenas e pessoas do grupo LGBTQia+.

“Para este ano, o tema escolhido foi o diálogo, com o tema, portanto, fraternidade e diálogo: compromisso de amor. Trata-se, como explicado nas formações feitas pelo nosso Setor de Campanhas, do recolhimento dos temas anteriores, em especial desde 2018, que tratou da superação da violência, até 2020, quando apresentou-se a proposta cristã do cuidado”, disse a CNBB em nota.

“Nosso país vive um tempo entristecedor, com tantas mortes causadas pela Covid-19, um processo de vacinação que gostaríamos fosse mais rápido e uma população que se cansou de seguir as medidas de proteção sanitária. Nosso coração de pastores sofre diante de tantas sequelas que surgem a partir da pandemia, em especial o empobrecimento e a fome”, ressaltou o documento.

Campanha defende grupo LGBQTia+ e outros

App lacrei oferecer atendimento de saúde a comunidade LGBTQIA+
Imagem: Reprodução / Pexels

O texto da Campanha da Fraternidade 2021 toca em um dos assuntos que ainda é considerado “tabu” para uma parcela dos religiosos: a sexualidade. No entanto, a campanha deste ano aponta que o grupo sofre de “preconceito e intolerância, e são classificados como não cidadãos, portanto, inimigos do sistema”.

A campanha cita até mesmo o Atlas da Violência 2020, que traz números relevantes sobre a causa, como, por exemplo, o fato de que em 2018 “420 pessoas LGBTQia+ foram assassinadas, destas 164 eram pessoas transsexuais”. “Estes homicídios são efeitos do discurso de ódio, do fundamentalismo religioso, de vozes contra o reconhecimento dos direitos das populações LGBTQia+ e de outros grupos perseguidos e vulneráveis”, diz texto da Campanha da Fraternidade 2021.

Covid-19 e governo Bolsonaro

O presidente Bolsonaro e ministro da saúde, Pazuello ainda não entregaram Plano de Imunização contra Covid-19
Presidente Bolsonaro e Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello (Foto: Carolina Antunes/PR)

Uma das partes “polêmicas” da Campanha da Fraternidade 2021 é quando cita a condução do atual governo federal em meio a crisa da pandemia do novo coronavírus. Para o CNBB, “o governo brasileiro não adota políticas efetivas”, e que a pandemia “dilacerou famílias e deixou espaços vazios na cultura nacional”.

O texto diz ainda que “algumas igrejas reivindicaram o direito de permanecerem abertas, realizando suas celebrações, apesar das aglomerações causarem contaminações e mortes”. O negacionismo, uma das características do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), também aparece no documento.

“Discursos negacionistas sobre a realidade e fatalidade da Covid-19 são recorrentes, assim como a negação da ciência e do papel de organismos multilaterais como a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização Mundial da Saúde (OMS)”.

CNBB responde conservadores

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou um posicionamento oficial em seu site após a divulgação da Campanha da Fraternidade 2021 causar reboliço entre a camada mais conservadora da Igreja. Confira abaixo uma parte da declaração da CNBB:

“Nos últimos dias, reações têm surgido quanto ao texto. Apresentam argumentos que esquecem da origem do texto, desejando, por exemplo, de uma linguagem predominantemente católica. Trazem ainda preocupações com relação a aspectos específicos, a saber, as questões de gênero, conforme os números 67 e 68 do referido texto.”

“A doutrina católica sobre as questões de gênero afirma que “gênero é a dimensão transcendente da sexualidade humana, compatível com todos os níveis da pessoa humana, entre os quais o corpo, a mente, o espírito, a alma. O gênero é, portanto, maleável sujeito a influências internas e externas à pessoa humana, mas deve obedecer à ordem natural já predisposta pelo corpo.”

Leia também:

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes