Depilação caseira: melhores métodos e como evitar pelos encravados

Os métodos mais comuns são cremes, ceras, lâmina e aparelhos elétricos; veja prós e contras de cada um e mais algumas dicas

Recorrer à depilação caseira é uma forma prática de eliminar os pelos e deixar a pele lisinha sem tomar muito tempo e nem gastar muito. E, em tempos de pandemia, é uma forma mais segura, pois não há contato com outras pessoas ou mesmo objetos. 

Além disso, se depilar em casa também tem outros pontos positivos, sendo o principal deles a liberdade de poder fazer isso quando quiser, sem precisar estar presa a um horário marcado previamente.  

Mas a tarefa pode não ser tão simples como parece. E, se não for feita da forma correta, pode acabar prejudicando a pele. Assim, a principal dica para fazer uma depilação caseira é saber quais métodos são os mais indicados e qual funciona melhor para você.  

Depilação caseira
Imagem: Pixabay / Reprodução

 

Melhores métodos para depilação caseira 

Os métodos mais comuns são os cremes, as ceras, a lâmina e os aparelhos elétricos. Alguns retiram o pelo pela raiz e podem ser mais agressivos para a pele. Outros são mais leves, mas a duração da depilação é menor. Veja alguns: 

Cera quente 

Um dos mais tradicionais e mais usados. A cera pode ser feita em casa, mas há muitas industrializadas facilmente encontradas em farmácias ou lojas de cosméticos. Ao ser passada sobre a pele e puxada, retira os pelos pela raiz.  

- PUBLICIDADE -

É um tipo de depilação que costuma durar aproximadamente 20 dias, além de ter um custo baixo. Por outro lado, é bem dolorida e, com o tempo, pode deixar a pele escurecida e com manchas. 

Depilação caseira com cera fria 

Funciona da mesma forma que a cera quente, com a vantagem de não ter risco de se queimar devido à temperatura alta. Mas a dor pode ser mais intensa, já que sem o calor não há dilatação dos poros. 

Outra vantagem em relação à cera quente é que a fria é melhor para quem tem varizes. Também remove os pelos pela raiz e também com duração média de 20 dias. 

Depilação caseira
Imagem: Pixabay / Reprodução

Cremes depilatórios 

Ao contrário das ceras, os cremes não removem os pelos pela raiz. Mas é um método indolor e simples de ser usado. Basta aplicar o produto sobre a pele e depois de alguns minutos retirar. 

Podem ser usados em qualquer parte do corpo, tendo mais cuidado com as mais sensíveis e, de preferência, fazendo um teste antes. O ponto negativo é que a durabilidade é baixa, sendo necessário retirar novamente os pelos depois de dois dias. 

- PUBLICIDADE -

Depilação caseira com lâmina 

Leia também

Óleo capilar: descubra para que serve e como usar

Pele com melasma: dicas para se cuidar no verão

É o método mais comum, mais prático e mais barato de depilação caseira, além de ser indolor. Mas não é necessariamente o mais vantajoso, principalmente porque a lâmina não retira os pelos pela raiz. Assim, o crescimento é rápido e depois de um ou dois dias a depilação já precisa ser refeita. 

Outra desvantagem é que o uso constante da lâmina na depilação caseira pode acabar deixando a área escurecida. 

Depilador elétrico 

É um aparelho formado por pinças que, ao serem passadas sobre a pele, se enrolam no pelo e removem pela raiz. E tudo isso a seco, sem nenhum tipo de sujeira. Mas a dor costuma ser bem intensa, principalmente nas regiões com a pele sensível 

A duração da depilação caseira com aparelho elétrico é de aproximadamente 20 dias. Para refazer é preciso que os pelos já estejam grandes novamente. O mais importante é ler as orientações do manual para usar sem erro.  

Depilação caseira
Imagem: Pixabay / Reprodução

Pinça ou linha 

- PUBLICIDADE -

São dois métodos mais indicados para regiões pequenas e com poucos pelos, como buço e sobrancelha. Ambas retiram pela raiz e têm uma boa durabilidade. A pinça também pode ser usada para remover alguns pelinhos que possam ter ficado depois da depilação com outros métodos. 

Assim, a escolha de qual é o melhor método de depilação caseira vai depender de cada pessoa. Entre os fatores que devem ser levados em consideração, além da preferência, estão o tipo de pel (mais ou menos sensível), a resistência à dor, a praticidade, o custo dos produtos, entre outros. O ideal é sempre optar pelos que minimizam as chances de ter pelos encravados.  

Como evitar pelos encravados 

Os pelos ficam encravados, basicamente, quando, ao nascer, encontram dificuldade para romper a camada de pele. Assim, eles acabam inflamando, o que pode causar vermelhidão, inchaço e, em alguns casos, uma secreção semelhante ao pus. E pode deixar a região bem dolorida. Algumas dicas que podem ajudar a evitar: 

- PUBLICIDADE -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes