Bolsonaro faz reunião com ministros e deixa Mourão de fora

O relacionamento entre Jair Bolsonaro e seu vice, Hamilton Mourão, dá indícios que o general não estará na chapa eleitoral de 2022. Segundo informações do O Globo, Bolsonaro evita a presença de Mourão.

A relação entre Jair Bolsonaro (sem partido), e seu vice, Hamilton Mourão, parece estar abalada. Segundo informações do jornal O Globo, o presidente da República se reuniu com ministros e apoiadores em um encontro fora da agência oficial na manhã desta terça-feira, 9 de fevereiro. A reunião não contou com a presença de Mourão.

Ainda de acordo com a publicação, a estratégia de Bolsonaro tem sido evitar a presença de Mourão e reuniões do Conselho de Governo, das quais o vice-presidente costuma participar. A atitude recorrente do presidente revela uma suposta crise na relação dele com o general, segundo especulações.

‘Vai botar quem?’

Na segunda, 8 de fevereiro,  Bolsonaro questionou sobre a possibilidade de sofrer impeachment. Em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, o presidente disse:  “Vai resolver o quê? Quer me tirar e quer botar quem no lugar? Quer botar quem no lugar?”, sem citar o nome de Mourão, o próximo na linha de sucessão presidencial.

Bolsonaro também concedeu uma entrevista à Band, e disse trocou sorrisos com o general e o comparou a uma “sogra”. Em contrapartida, nesta terça (09/02), Mourão confirmou que “não foi convidado e chamado para a reunião”, e disse “acreditar que o presidente julgou que ser desnecessária sua presença”. A informação é do O Globo.

Assessor de Mourão x Bolsonaro

No fim de janeiro, o vice-presidente Hamilton Mourão pediu a exoneração do seu assessor, Ricardo Roesch, após uma troca de mensagens comprometedoras serem vazadas pelo site O Antagonista. Na conversa, o ex-assessor do general falava sobre um suposto impeachment de Bolsonaro, já que “o capitão estava errando” na condução da pandemia do novo coronavírus no país. O parlamentar que participou do bate-papo não teve sua identidade revelada.

A exoneração de Roesch foi publicada no Diário Oficial da União, e Mourão lamentou a situação durante uma entrevista no Palácio do Planalto. O vice de Bolsonaro julgou a situação como “lamentável” e reiterou que não concorda com a ideia de impeachment. “Foi uma situação lamentável. Número um, primeiro lugar, porque eu não concordo com processo de impeachment, não apoio isso aí, acabou” disse.

- PUBLICIDADE -

Hamilton Mourão vai tomar a vacina da covid-19
(Foto: Reprodução Instagram @vprhamiltonmourao)

Mourão sente falta de diálogo

Leia também

VÍDEO: Bolsonaro encerra entrevista após pergunta sobre…

Daniel Silveira: veja quem votou a favor e contra a prisão

Na mesma época da exoneração de seu assessor, Hamilton Mourão comentou em uma entrevista à CNN Brasil, que faltava diálogo com o presidente Jair Bolsonaro. “Não há conversas seguidas entre nós. As conversas são bem esporádicas (…) Faz falta, sim. Faz falta até para eu entender em determinados momentos o que eu preciso fazer”, afirmou o vice.

Mourão também disse considerar “difícil” ser a opção de vice na chapa eleitoral de 2022, a qual Bolsonaro pretende concorrer em busca do seu segundo mandato. No entanto, o general não descartou a possibilidade: “Depende. Teríamos de ter uma conversa. Não sou candidato a nada”, completou.

Indireta de Bolsonaro a Mourão: ‘palpiteiro’

Imagem mostra Bolsonaro discursando sobre mudanças na Petobras e da taxa ICMS
(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Após Hamilton Mourão levantar a possibilidade da troca do comando de ministério do governo federal, Bolsonaro mandou uma indireta para o seu vice e negou a informação propagada por Mourão. A declaração foi dada pelo próprio presidente em seu canal no Youtube.

“O que nós menos precisamos é de palpiteiro no tocante a formação do meu ministério. E deixo bem claro: todos os 23 ministros eu que escolho e ponto final. Se alguém quiser escolher ministro, se candidate em 2022“, disse Bolsonaro, que sem citar Mourão deu a entender que vice havia sido “palpiteiro”.

- PUBLICIDADE -

Covid-19 e vacina

O governo de Jair Bolsonaro tem sido alvo de críticas em relação a sua atuação contra a pandemia da Covid-19, especialmente após a crise da falta de oxigênio em Manaus, que afetou negativamente a imagem do governo e gerou muita revolta entre a população brasileira.  Na mesma época, Hamilton Mourão defendeu Bolsonaro à imprensa e disse que o “governo estava fazendo além do que podia dentro dos meios que dispõe”, sobre a crise hospitalar no Amazonas.

O vice também já afirmou que a disputa entre João Doria e Bolsonaro “foge à boa política”, e que não concorda com a troca de ataques dos dois governantes. “Tanto do nosso lado aqui do governo, como do Doria. Aí começa um chama de mentiroso, o outro chama de não sei o quê. Isso não é a política”, disse à CNN.

Mas diferente de Bolsonaro, Mourão é a favor da vacinação contra a Covid, inclusive, a vacina produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a chinesa Sinovac, já criticada pelo presidente. O general acredita também que a vacina é para todos, e a imunização contra a doença é uma “questão coletiva”, diferente de Bolsonaro, que é a favor da não obrigatoriedade da vacina.

“Eu acho que a vacina é para o país como um todo, é uma questão coletiva, não individual. O indivíduo aqui está subordinado ao coletivo, neste caso”- Hamilton Mourão

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes