Réu por corrupção, Arthur Lira não entra na linha de sucessão do governo

O novo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, é aliado de Bolsonaro. No entanto, ele é envolvido em esquemas de corrupção e não pode exercer todas as funções, como a de assumir a presidência se necessário.

Eleito o novo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), assume um cargo de alto escalão no Congresso Nacional. Com mais da metade dos votos na Câmara, e o apoio imprescindível do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Lira foi o principal opositor de Baleia Rossi (MDB-SP), candidato de Rodrigo Maia (DEM-RJ), agora ex-presidente da Casa.

Na principal função da Câmara, Arthur Lira é o segundo na linha de sucessão presidencial, ficando somente atrás do vice-presidente, em casos extremos, como o impeachment do vice-presidente, falecimento, exoneração do cargo, demissão, entre outros.  Ele também é o único responsável que pode decidir se deve arquivar ou abrir pelo menos um dos 63 pedidos de impeachment do governo Bolsonaro.

Aliado ao Centrão e ao Palácio do Planalto, Arthur Lira não pode assumir todas as funções que são prometidas para o seu cargo, em caso de necessidade. Isso porque o presidente da Câmara tem o nome envolvido em escândalos de corrupção.

Arthur Lira é réu no STF

Eleições câmara - Arthur Lira
Arthur Lira (PP) (Foto: Agência Brasil).

O presidente da Câmara dos Deputados tem acusações de corrupção, além de denúncias de injúria e violência doméstica. Arthur Lira é acusado de receber propina de R$ 106 mil do então presidente da CBTU (Companhia Brasileira de Transportes Urbanos), Francisco Colombo, em 2012.  O processo foi mantido pela primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF).

Lira também é réu na segunda turma do STF no inquérito da Operação Lava-Jato apelidado de “quadrilhão do PP”. Ele é acusado de organização criminosa por suposta participação em esquema de desvios, que causou um prejuízo de R$ 29 bilhões à Petrobras. O esquema teria durado mais de uma década.

No final de 2020, Arthur Lira foi absolvido pelo juiz Carlos Henrique Pita Duarte, do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ-AL) de uma denúncia de ter participado de um esquema de “rachadinhas”. O escândalo teria acontecido na época em que era deputado estadual, entre 2001 e 2007. Segundo a denúncia realizada na mesma época, Lira movimentou mais de R$ 9,5 milhões.

- PUBLICIDADE -

Quem assume no lugar de Arthur Lira?

Por ter o nome envolvido em processos na Justiça e no STF, Arthur Lira não pode assumir a presidência caso algo extremo ocorra, como, por exemplo, o impeachment do presidente Bolsonaro e do seu vice, Hamilton Mourão. Com isso, o 1º Vice-presidente da Mesa Diretora da Câmara ficaria como responsável pelo cargo. Entretanto, o nome desse vice não foi definido.

Leia também

Bolsonaro questiona eficácia das máscaras e faz campanha…

VÍDEO: Bolsonaro encerra entrevista após pergunta sobre…

A nova formação da Mesa Diretora, que é normalmente decidida no mesmo dia da votação do presidente da Câmara, foi adiada pela primeira vez. Como seu primeiro ato sob comando da Casa, Lira invalidou o registro do bloco adversário de Baleia Rossi, e convocou uma eleição para escolher os cargos pendentes nesta terça-feira, 2 de janeiro.

A decisão de anular a última decisão de Rodrigo Maia (de incluir o PT no bloco de Rossi) e de ignorar a divisão pré-determinada que daria cinco cargos da Mesa para o bloco de Lira, e os outros quatro para o bloco de Rossi, não agradou o centrão. Os partidos que apoiavam Baleia Rossi se reuniram e argumentaram que o ato de Lira foi ilegal e autoritário. Houve uma especulação que uma ação contra o presidente seria enviada para o Supremo Tribunal Federal.

 

Aliança com Bolsonaro

Lira assume o cargo antes ocupado por Rodrigo Maia, que teve um relacionamento conturbado com Jair Bolsonaro, principalmente nas últimas semanas. Com diversos pedidos de impeachment, Maia chegou a especular que seria impossível não tocar no assunto, principalmente após a crise em Manaus, com a falta de oxigênio e leitos hospitalares.

Aliado de Bolsonaro, Arthur Lira contou com um forte apoio do governo federal para ser eleito na Câmara dos Deputados. Foi em abril de 2020 que o Partido Progressista declarou também apoio a Bolsonaro. Embora a aliança esteja fortalecida, nem sempre foi desse jeito. Lira já se posicionou contra Bolsonaro e também o Ministro da Economia, Paulo Guedes.

Impeachment

- PUBLICIDADE -

A palavra que não era vista no Congresso Nacional desde 2016, voltou à tona em 2021. Mas com o apoio de Bolsonaro, Arthur Lira não deve movimentar os pedidos de impeachment. Rodrigo Maia, em seus últimos dias como presidente da Câmara, chegou a ameaçar aceitar pedidos de impeachment de Bolsonaro, mas nada foi feito.

Vale lembrar que Arthur Lira ajudou a articular o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016. Na época, ele também votou contra a cassação de Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara.

Quais partidos apoiaram Lira?

Os partidos PP, PL, PSD, Republicanos, Avante, PROS, Patriota, PSC, PTB, PSL e Podemos foram apoiadores de Arhtur Lira na votação da Câmara dos Deputados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes