Bitcoin consume mais energia que países como Argentina, Holanda ou Noruega

Enquanto investidores de todo mundo comemoram a disparada dos preços do Bitcoin, um outro público alerta para o alto consumo de energia elétrica no processo de mineração da criptomoeda.

 

Qual é o atual consumo de energia elétrica dos Bitcoins?

Um levantamento recente da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, apontou a mineração da criptomoeda consome cerca de 130,9 terawatt-horas (TWh) por ano (um terawatt equivale a 1 bilhão de kilowatts).

Se fosse um país, o Bitcoin estaria em 28º lugar no consumo global de energia, a frente de países como:

  • Argentina (125,03 TWh) .
  • Holanda (110,68 TWh),
  • Emirados Árabes (119,46 TWh) e
  • Noruega (124,13 TWh).

Além disso, já próximo de superar a Suécia, que consome 137,79 TWh.

Afinal, o consumo de energia elétrica do Bitcoin tende apenas a aumentar, já que a expectativa é de preços mais altos e mais moedas em circulação.

 

Por que o Bitcoin consume tanta energia elétrica?

Para se criarem novas unidades da moeda digital, pessoas ao redor do mundo utilizam computadores ligados 24 horas por dia para resolverem enigmas matemáticos. A resolução dessas enigmas é conhecido como mineração.  Assim, na medida que esses enigmas são resolvidos, as operações feitas na rede do Bitcoin são aprovadas e novas moedas são criadas.

Porém, conforme a rede aumenta e o Bitcoin aumenta seu valor, mais complexos vão ficando esses enigmas, exigindo máquinas com um maior poder de processamento. E, por consequência, consome mais energia elétrica.

 

Qual é o questionamento sobre o impacto ambiental dos Bitcoins?

Com o avanço das preocupações ambientais e de forte apelo do mercado para os temas ESG, o debate chegou até a criptomoeda. Afinal, faz sentido termos um mecanismo de transações globais que pode ser prejudicial ao meio ambiente?

Recentemente, durante um evento realizado pelo jornal The New York Times, a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, criticou o consumo de energia do Bitcoin. Ela afirmou que a moeda digital é extremamente ineficaz na realização de transações e o consumo de energia consumida no processamento das transações proibitivo.

Além disso, Bill Gates, um dos homens mais ricos do mundo, também fez críticas recentes ao Bitcoin. Ele criticou o grande consumo de energia para a producão de um Bitcoin e também discordou com a forma anônima das transações de bitcoins.

Enfim, a resposta pode estar em projetos recentes que aproximam grandes centrais de processamento de dados dedicados a mineração de Bitcoins com fazendas solares gigantes para produzir energia limpa para os supercomputadores.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes