Conta de luz mais cara em maio; qual o valor do reajuste?

Aneel anunciou adoção da bandeira vermelha 1 na tarifa deste mês

A conta de luz ficará mais cara neste mês. A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) anunciou ontem (30) que a tarifa terá bandeira vermelha 1, com aumento de R$ 4,169 a cada 100 kWh consumidos.

Segundo a agência, a medida está relacionada à época do ano, porque no mês de maio começa a estação mais seca. Os reservatórios de algumas usinas hidrelétricas já estão em queda, mesmo após a estação com maior concentração de chuvas.

Em abril, os consumidores tiveram a conta fechada com bandeira amarela – que representou aumento de R$ 1,34 a mais a cada 100 kWh.

Por que a conta de luz vai ficar mais cara?

Alguns fatores contribuíram para a adoção da bandeira vermelha e a consequente conta de luz mais cara. O sistema de bandeiras foi criado em 2015 para que a população pudesse se atentar ao nível dos reservatórios – quanto menos água, mais difícil a produção de energia.

São três bandeiras: verde, quando não há cobrança adicional; amarela, com aumento de R$ 1,34 por 100 kWh; e vermelha, a que deixa a conta de luz mais cara e tem dois patamares – de R$ 4,16 ou R$ 6,24, sempre a cada 100 kWh consumidos.

Em 2021, o nível dos reservatórios está mais baixo do que deveria para a época. Isso aconteceu porque a quantidade de chuva também foi menor do que o esperado, sobretudo no verão, nas principais bacias brasileiras – as dos rios Grande, Parnaíba, Alto Tocantins e Paraná.

“Essa conjuntura sinaliza patamar desfavorável de produção pelas hidrelétricas e elevada necessidade de acionamento do parque termelétrico, pressionando os custos relacionados ao risco hidrológico (GSF) e o preço da energia no mercado de curto de prazo (PLD). A conciliação desses indicadores levou ao acionamento do patamar 1 da Bandeira Vermelha”, disse a Aneel em comunicado.

No ano passado, também foi proibida a instalação de tarifas que deixassem a conta de luz mais cara. A medida fez parte dos esforços para aliviar os gastos da população durante a pandemia. No fim de novembro, no entanto, o decreto foi revogado pelo piora no nível dos reservatórios. Por isso, entre janeiro e março deste ano os consumidores tiveram a adoção de tarifas, quando o habitual era a bandeira verde – sem custo adicional.

Leia também:
Corte de energia elétrica por inadimplência suspenso até 30/06: saiba como solicitar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes