Conta de luz: o que está ruim, deve piorar com as bandeiras vermelhas

A Aneel, Agência Nacional de Energia Elétrica, anunciou que a bandeira tarifária vermelha patamar 2 continua em setembro. Além disso, deve anunciar hoje, um novo aumento para a sobretaxa da bandeira vermelha patamar 2.

 

O que é a bandeira tarifária vermelha

Em 2015, o governo criou o sistema de bandeiras tarifárias para sinalizar o custo de geração de energia.

Dessa forma, quando o nível dos reservatórios está alto e não há necessidade de acionamento extra de usinas térmicas, não há cobrança adicional com a bandeira verde.

Já quando os reservatórios estão baixos, exige-se o acionamento de mais térmicas. E o aumento de custo é repassado para o consumidor através das bandeiras amarela e vermelha.

Enfim, quando a situação é mais crítica, como o cenário de crise hídrica atual, o governo sinaliza a bandeira vermelha patamar 2. Nesse caso, há o repasse da maior taxa nas contas de luz dos brasileiros.

Bandeira vermelha cada vez mais frequentes

Os brasileiros já estão se acostumando com a bandeira vermelha.

Afinal desde dezembro de 2020, não tivemos a bandeira verde que não encarece as contas de energia.

Nesse curto período de 10 meses, por exemplo, tivemos:

  • 4 bandeiras amarelas
  • 1 bandeira vermelha patamar 1
  • 5 bandeiras vermelhas patamar 2

 

Bandeira vermelha patamar 2 deve ficar ainda mais cara

O valor da bandeira vermelha patamar 2 já tinha sido reajustado em 52% para o mês de julho, passando de R$ 6,24 por 100 kWh para os atuais R$ 9,49. Isto é, das 5 bandeiras vermelhas patamar 2, tivemos as últimas três ainda mais caras!

De fato, o valor extra reflete a crise hídrica que afeta os reservatórios das usinas hidrelétricas. Para preservar água, o governo acionou as usinas termelétricas, que são mais caras e mais poluentes.

Por fim, especialistas apontam para um novo reajuste que levará o valor da cobrança adicional está em R$ 9,49 por 100 quilowatts/hora (kWh) para R$ 14,20, aumento de mais de 50%. Nesse sentido, o valor será comunicado até amanhã e busca equilibrar os impactos técnicos e políticos da decisão.

 

A pior crise hídrica da história e medidas adotadas pelo governo

O Brasil vive a pior crise hídrica dos últimos 91 anos.

Em agosto, o volume de chuvas ficou abaixo do esperado.

De fato, a previsão é a de que os reservatórios cheguem a novembro com apenas 10% da capacidade. Além disso, o volume é menor do que o registrado na crise de 2001, quando o país passou por racionamento de energia.

Nesse sentido, para atender a demanda de energia em outubro e novembro e o evitar o risco de apagões, o governo aposta:

  1. no acionamento das usinas termelétricas,
  2. na importação de energia da Argentina e do Uruguai e
  3. na colaboração e redução de consumo dos consumidores residenciais e industriais

O que você pode fazer?

O brasileiro é um povo resiliente e criativo. Nos momentos de crise, busca soluções novas. Nesse sentido, destacamos a crescente adoção da energia solar por assinatura por milhares de famílias e empresas de Minas Gerais.

A SUNWISE, uma empresa especializada no tema, indica que consumidores residenciais, comerciais e industriais podem economizar na conta de energia, sem investimentos, sem obras e sem dor de cabeça.

Durante a crise hídrica, a energia solar por assinatura proporcionou proteção extra contra as bandeiras tarifárias. Dada a perspectiva negativa para os próximos meses e anos, vale a pena conhecer a experiência positiva de Minas Gerais.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes