Contas de luz devem explodir a partir de julho. Prepare-se!

As contas de luz devem ficar ainda mais caras a partir de julho. A famigerada bandeira vermelha 2 será reajustada para cobrir os custos de geração termelétrica. Rumores indicam que o reajuste pode extrapolar os 60%. Seja qual for o reajuste, o aumento da conta de luz recairá no bolso do consumidor.

 

Qual será o aumento da conta de luz?

Desde dezembro de 2020, os consumidores pagam taxas extras todos os meses devido às bandeiras tarifárias. Atualmente, o custo extra da bandeira vermelha patamar 2 é de R$ 6,24 pelo consumo de 100 kw/hora. Enquanto a bandeira vermelha 1 tem um acréscimo de R$ 4,16 (maio de 2021), a bandeira amarela cobra R$ 1,34 a mais (janeiro a abril de 2021).

O mercado cogita uma alta de até 60%, o que levaria a cobrança extra para R$ 10 a cada 100 quilowatt-hora (kWh) consumidos.

Dessa forma, as contas de junho já foram de 3% a 5% mais caras do que no mês de maio. No entanto, com o aumento esperado da bandeira vermelha 2, as contas de julho devem ser 5% a 15% mais caras que as contas de junho.

 

Qual será o impacto na inflação?

Aumento da energia elétrica deve aumentar os preços de forma generalizada.

A energia de uso doméstico compromete, em média, 4% do orçamento familiar. Para cada 1% de aumento que a família paga, isso tem um impacto de 0,04 ponto porcentual na inflação. Portanto, esse aumento da bandeira vermelha por ter um impacto direto de 0,20p.p a 0,60p.p.

Mas existem também efeitos indiretos, que é como a energia vai impactar nos preços daqueles que prestam serviços ou na produção industrial.  Os dois principais são: a indústria da construção, que fabrica os materiais usados pela construção civil; e também o segmento automobilístico. São dois setores que empregam muito e que sofrerão com esse aumento.

 

Qual a duração da maior crise hídrica dos últimos 90 anos?

O volume dos reservatórios já está muito baixo e só estamos entrando no inverno agora. Nesse sentido, o inverno é uma estação de pouca chuva e existe uma previsão de que o volume de chuvas seja historicamente baixo em 2021. Então, esse é um desafio duplo que não vai permitir a recuperação dos reservatórios no período normal, o que só vai agravar a crise hídrica.

Isso tende a perpetuar, pelo menos dentro de 2021, o uso dessas bandeiras no patamar máximo. Se tivermos muita sorte, a partir de outubro, com a chegada da primavera e o início do período de chuvas, poderíamos talvez recuperar um pouco.

Ano passado, o desafio das famílias foram os alimentos. Esse ano, os preços de energia e dos combustíveis vão influenciar mais.  Com certeza vai ser um desafio maior para as famílias em 2021 e tende a se estender também para 2022.

 

O que esperar para 2022?

A dívida acumulada do setor elétrica, incluindo a “conta covid” deve ser colocada na mesa no ano que vem. Assim, já se prevê para 2022 um aumento de 5% a 10% nas contas de luz. São dívidas acumuladas pelo segmento, que vão acabar caindo na conta do consumidor.

A energia elétrica será um grande obstáculo para o cumprimento da meta de inflação para 2022. Afinal, a meta do ano que vem é menor, cerca de 3,5%, e a expectativa de inflação já começa a romper esse patamar. Já está mais na direção de 4% do que de 3,5%. O aumento dos juros básicos de 2% para 4,25% já refletem a preocupação do Banco Central.

 

O que fazer hoje para se proteger das contas de luz mais caras?

A energia solar vem se destacando e não para de crescer. Uma das razões é a possibilidade de você gerar sua própria energia elétrica e assim evitar os aumentos das contas de luz. Nesse sentido, uma das barreiras sempre foi o alto investimento necessário para a compra e a instalação de placas solares. Afinal uma residência típica exige um investimento de R$ 20 a 25mil.

A energia solar por assinatura surge como uma opção para casas e empresas que desejam economizar na sua conta de energia, mas não dispõem desse montante para investir em placas. A SUNWISE, uma empresa especializada na energia solar por assinatura, disponibiliza fazenda solares que são compartilhadas com consumidores residenciais, comerciais e industriais no estado de MG.

Em suma, trata-se de uma ótima opção para se proteger dos aumentos dos reajustes das contas de luz, sem investir, sem se preocupar com obras, sem prazo de fidelidade ou multas contratuais e sem dor de cabeça. Fica a dica!

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes