Cresce a busca por financiamento de placas solares na pandemia

As pessoas físicas estão buscando cada vez mais formas de reduzir seus gastos e desperdícios. Com a pandemia, qualquer corte de despesas contribui para a organização do orçamento familiar. Nesse sentido, diversas instituições financeiras apontaram o forte crescimento na procura por financiamento para compra de placas solares para pessoas físicas.

 

Qual é a lógica de investimento em energia solar?

Desde 2012, os consumidores de energia elétrica podem gerar sua própria energia. Dessa forma, qualquer pessoa pode adquirir e instalar um sistema de geração solar fotovoltaica no seu telhado. Assim, a energia solar gerada reduz a sua conta de luz.

Nesse sentido, o grande obstáculo para o avanço da energia solar é o preço de compra das placas e equipamentos que compõem o sistema de geração solar. De fato, que os preços das placas solares caíram na última década e possibilitou a viabilidade econômica.

No entanto, apesar do crescimento da energia solar no Brasil, menos de 2% da população se beneficiam das economias. Certamente, o potencial de crescimento está apenas no início.

Segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica, Absolar, os investimentos privados no setor devem ultrapassar R$ 22,6 bilhões em 2021. Só na geração distribuída, como em sistemas em telhados e fachadas de edifícios, a potência instalada deve crescer 90%: de 4,4 gigawatt para 8,3 gigawatt.

 

O que os bancos oferecem como solução de financiamento de placas solares?

Os bancos e as instituições financeiras oferecem produtos de financiamento. Isto é, emprestam o dinheiro em troca de pagamentos com juros no futuro.

O Santander relatou um crescimento de 25% na sua linha de crédito no primeiro bimestre de 2021 em relação ao mesmo período do ano anterior. Já o banco BV divulgou que o volume financiado em 2020 triplicou em relação a 2019. Ainda, segundo o Bradesco, houve crescimento de 46%na quantidade de operações para aquisição e instalação de painéis solares em 2020.

O BNDES aprovou financiamentos de R$ 1,48 bilhão para geração solar em 2020. E espera aumento em 2021! Além disso, a Caixa espera dobrar o crédito para energia renovável em 2021, que cresceu 35% em 2020.

Finalmente, veja algumas opções de financiamento oferecida pelos grandes bancos:

  • Santander; parcelamento em até 72 meses, com juros de 0,79% ao mês, carência de 120 dias
  • BV; parcelamento em até 84 meses, com juros de 0,75% ao mês, carência de 120 dias
  • Bradesco; parcelamento em até 60 meses, com juros SELIC + 0,95% ao ano + 3,5% spread, carência de 365 dias (linha BNDES Finame Baixo Carbono)

 

Não quer assumir novas dívidas, conheça a energia solar por assinatura

Caso você não queira contratar uma dívida com o banco, ou ainda, não entenda os riscos envolvidos em um projeto de geração fotovoltaico, sugerimos avaliar a opção de energia solar por assinatura.

Afinal, nessa modalidade você compartilha uma fazenda solar, que gera créditos em sua conta de luz e você não precisa investir na compra de placas solares. Além disso, você não corre riscos de engenharia, de operação ou de manutenção.

Em suma, a boa notícia é que as opções surgiram e possibilitam que mais pessoas acessem a energia solar.

Agora não somente aqueles que dispõem de recursos para adquirir os equipamentos tem acesso. Finalmente, você pode financiar a compra com empréstimo de um banco ou você pode compartilhar uma fazenda solar. Afinal, o consumidor tem o poder de escolha.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes