Especialistas apontam tarifas de energia ainda mais altas em 2021

Prepare seu bolso para os aumentos de tarifas de energia elétrica em 2021

Pressões inflacionárias estão mais frequentes em diferentes setores da economia. A ameaça sobre o bolso dos brasileiros é real e imediata. Alguns especialistas projetam aumentos médios de tarifas residenciais de 14,5%, conforme estudo da consultoria TR Soluções. Essa projeção considerou dados de todas as 53 distribuidoras do país, além de 7 permissionárias. Vamos avaliar alguns fatores que nos ajudam a entender as tarifas de energia elétrica ainda mais altas em 2021.

 

Energia elétrica é reajustada pelo IGP-M

O IGP-M, Índice Geral de Preços – Mercado, é calculado e divulgado todos os meses pela FGV. Esse índice de preços acompanha a variação de preços de bens e serviços, bem como de matérias-primas utilizadas na produção agrícola, industrial e construção civil. O IGP-M é um dos índices componentes de fórmulas utilizadas por empresas de telefonia e de energia elétrica, respondendo parcialmente pelos reajustes tarifários desses segmentos. Além disso, o IGP-M se popularizou por ser referência para o setor imobiliário, para o reajuste de contratos de aluguel.

Nos últimos 12 meses, o IGP-M teve um aumento de 25,46%. Esse aumento é o maior desde junho de 2003 (28,68%). Uma parte das distribuidoras têm suas receitas reajustadas pelo IGP-M e a outra parte pelo IPCA, o índice inflacionário, que fechou 2020 em 4,52%.

 

Início do pagamento da Conta-Covid

Além disso, em 2021 chegam as primeiras parcelas da Conta-Covid. A crise econômica reduziu o consumo de energia elétrica e gerou desequilíbrio nas empresas de energia com a sobrecontratação.

O empréstimo da Conta-Covid ajudou o setor elétrico a reequilibrar suas contas. No entanto, o consumidor pode esperar uma parcela de aumento no preço final devido os custos financeiros que as empresas teriam repassado às tarifas de energia em 2020. O custo da compra de energia teve um aumento estimado de 9,5% em relação a 2020.

Leia também

Ceará participará do promissor mercado global de Hidrogênio…

Você sabe qual é o custo social do carbono?

Segundo as regras adotadas, o pagamento da Conta-Covid começa em 2021.

 

- PUBLICIDADE -

Revisões tarifárias do serviço de transmissão de energia

Por fim, o calendário de revisões tarifárias prevê a revisão dos preços de transmissão de energia no primeiro semestre de 2021. Trata-se do preço que pagamos para trazer a energia elétrica do ponto de geração (exemplo: usinas hidrelétricas) para o ponto de distribuição (exemplo: cidades).

A Aneel já aprovou em julho de 2020 o aumento. Esse aumento elevou a receita de de transmissão para o segmento de consumo em mais que 44,5%, passou de R$ 10,4 bilhões para R$ 15 bilhões. Dessa forma, nas revisões tarifárias das distribuidoras, que levam a energia elétrica recebida pelas transmissoras até a sua casa, deve repassar o aumento.

 

O que fazer?

Enfim, dada a expectativa de aumento de preços, cabe aos consumidores residenciais buscarem formas alternativas de economizar. Basicamente, há opções de reduzir o consumo de energia e alternativas de obter energia elétrica mais barata.

Caso você já tenha implementado ações de eficiência energética, tais como: instalação de lâmpadas LED, troca de eletrodomésticos por modelos mais eficientes, dentre outras. Existe ainda alternativas de geração de sua própria energia com placas solares, por exemplo.

Caso não disponha de recursos para investir em equipamentos, ainda existe a opção de energia solar por assinatura, que possibilita economias na conta de luz, sem investimentos.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes