Fernando de Noronha pode ser 100% movida a energia solar

O arquipélago de Fernando de Noronha no estado de Pernambuco avança para eliminar combustíveis fósseis e estabelecer a energia solar como a única fonte de energia na ilha. De fato, o Programa Noronha Carbono Zero anunciado pelo governo em 2020 definiu as bases da transformação. Afinal, são diversas ações de sustentabilidade e redução de emissões de gases de efeito estufa. Incluindo, por exemplo: energia solar, baterias, veículos elétricos, dentre outras.

 

O exemplo de Fernando de Noronha

Definitivamente, Fernando de Noronha é um ativo da humanidade, que precisa ser preservado e apreciado por todos. Nesse sentido, o projeto Noronha Carbono Zero estabeleceu parcerias e implementou políticas ambientalmente favoráveis.


Por exemplo, o Decreto-Lei nº 16.810/20 regulou a entrada e circulação de carros a combustão na ilha. Assim, nenhum carro movido a gasolina, álcool e óleo diesel poderá entrar na ilha a partir de 2022.

O programa tem ainda um Termo de Cooperação Técnica entre o governo e a Celpe. O objetivo imediato é o acionamento de dois novos módulos de baterias solares fotovoltaicas. Nesse sentido, a previsão é reforçar o sistema de armazenamento na ilha e dobrar a utilização de energia limpa em horários de pico.

Sai energia termoelétrica, entra a energia solar

Uma das propostas sendo analisadas é a substituição da geração termoelétrica pela energia solar distribuída. Afinal, a maior parte da eletricidade de Fernando de Noronha vem de um conjunto de geradores a diesel que consome 450 mil litros por mês. Atualmente, apenas 10% da energia vem do sol.


Nesse sentido, avaliam a possibilidade de múltiplas instalações residenciais e comerciais nos telhados das pousadas. Além disso, o alto investimento necessário seria parcialmente suprido por financiamento. De fato, a parceria do banco Santander, que faz parte do projeto Noronha Carbono Zero, do governo de Pernambuco, é um pilar fundamental da iniciativa.

Dado o alto custo de geração termoelétrica, acredita-se que o retorno do investimento seja mais rápido. A estimativa atual é de 3 anos. Afinal a geração solar distribuída possibilita a redução da conta de luz e a economia obtida paga o financiamento necessário para a aquisição e instalação das placas solares.

 

Noronha tem ecoposto público para recarga de carros elétricos

A Administração de Fernando de Noronha colocou em funcionamento um ecoposto público para o carregamento de carros elétricos. O ecoposto pode abastecer até seis veículos ao mesmo tempo. Além disso, a energia solar abastece a recarga dos automóveis, por meio das placas fotovoltaicas instaladas na cobertura.

A inauguração do ecoposto faz parte do programa Noronha Carbono Zero. Entre outras ações, ele proíbe a entrada de veículos movidos a combustão na ilha, a partir de 2022. O objetivo é reduzir as emissões de gás carbônico (CO2). Atualmente, a ilha já conta com 30 carros elétricos em circulação e outros 130 veículos elétricos estão a caminho.

Além do Ecoposto, a ilha tem outros pontos para abastecimento de carros elétricos. São eles: Sueste, Conselho Distrital, Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) e Palácio de São Miguel, sede da Administração do distrito. 

Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.