Lições da COVID-19 para uma nova matriz elétrica

A revista Nature, referência no tema de mudanças climáticas, publicou recentemente um estudo que revela o impacto e as lições da COVID-19 no setor de energia mundial. As emissões globais de COcaíram drasticamente com a redução da economia e queda do consumo de energia.  As usinas térmicas intensivas em combustíveis fósseis foram prioritariamente desligadas. Esses efeitos ilustram a oportunidade para diferentes políticas que possibilitem uma transição da matriz elétrica global.

 

Leia também

Ceará participará do promissor mercado global de Hidrogênio…

Você sabe qual é o custo social do carbono?

A transição iniciou-se antes da pandemia do COVID-19

Antes mesmo da pandemia do COVID-19, o setor elétrico já apresentava importantes passos na direção das fontes renováveis. O crescimento da energia solar e eólica em todos os continentes é marcante na última década. Além disso, esse crescimento acelerou nos últimos anos devido a queda no custo das tecnologias de geração e a melhoria de performance dos equipamentos.

 

Gráficos de geração de energia e emissões de CO2 - impacto e as lições da COVID-19
Evolução histórica e projeções da geração de eletricidade e emissões de CO2 destacam o impacto e as lições da COVID-19

As lições da COVID-19 para uma nova matriz elétrica

Os dados apontam que uma queda moderada de consumo de eletricidade pelas industrias e comércios produziu um forte impacto nas emissões do setor de geração elétrica. Mergulhando nos dados, observamos que India, EUA e Europa são responsáveis por 34% das emissões de CO2 globais. Esses países reduziram o consumo de eletricidade em 20%. No entanto, as emissões de CO2 do setor elétrico caiu até 50%!

A razão está na matriz elétrica com diferentes fontes de energia. Assim, quando o consumo cai, as usinas de maior custo são desligadas primeiro. Nesse sentido, as plantas baseadas em combustíveis fósseis – carvão, óleo combustível e gás natural – pararam de funcionar por serem mais caras. Enquanto as fontes renováveis, como energia solar e éolica, com baixo custo de geração, prosperaram mesmo na pandemia.

O carvão vem perdendo competitividade frente às renováveis e tanto países como regiões estão optando por fechar as usinas. Assim, a pegada de carbono – emissão por kWh – vem caindo e a pandemia só acelerou um pouco mais esta transição.

 

O que esperar para 2021 em diante?

As projeções são favoráveis. Nesse sentido, espera-se uma redução anual das emissões de cerca de 7%.

O avanço dos investimentos em geração de baixo carbono – solar, eólica, nuclear e hidrelétrica – é evidente. Seu crescimento para atender a crescente demanda de energia elétrica torna a matriz cada vez mais limpa. De fato, a questão está no ritmo de crescimento. Se a velocidade de expansão da capacidade solar e eólica acontecer em ritmo igual ou superior da demanda de eletricidade, estamos no caminho certo. O desafio pode ser maior com a entrada dos carros elétricos.

Políticas públicas que incentivem os investimentos nas fontes renováveis devem ser cada vez mais frequentes. Nesse sentido, o fortalecimento de políticas de preço de carbono e eliminação de subsídios para combustíveis fósseis ganham força. Enfim, estudos indicam que um preço de carbono de $ 20 dólares a tonelada de CO2 já criam efeito positivo para reduzir emissões.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes