O risco de apagão é mínimo, mas a conta será cara

Quando o nível dos reservatórios hídricos passam a frequentar o noticiário da TV, temos certeza que o risco de racionamento de água e energia é real e iminente. Se por um lado, enfrentamos a maior crise hídrica dos últimos 91 anos. De outro lado, a infraestrutura elétrica evoluiu bastante desde 2001, quando enfrentamos o fantasma do apagão.

Assim, apesar do susto, podemos afirmar que aprendemos com nossos erros do apagão. Mas ainda sofreremos os impactos, pagaremos contas mais altas e precisaremos racionalizar o uso de água e da energia.

 

O alerta de emergência hídrica está ligado!

O Sistema Nacional de Meteorologia (SNM) emitiu em 27 de maio, alerta de emergência hídrica associado à escassez de precipitação para a região hidrográfica da Bacia do Rio Paraná. Nesse sentido, ela abrange os estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná, para o período entre junho e setembro.

É a primeira vez que o SNM emite um alerta de emergência hídrica! Afinal, foi constatado que as afluências permanecem abaixo dos valores médios históricos. De fato, trata-se dos piores montantes verificados para o Sistema Interligado Nacional (SIN) no período de setembro a maio em 91 anos da série histórica.

Ontem, os técnicos do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) indicaram que a bacia do Rio Paraná teve a pior afluência dos últimos 50 anos no período de outubro de 2020 a maio de 2021. Segundo eles, a situação configura um risco ao atendimento eletroenergético e aos usos múltiplos devido às condições desfavoráveis de armazenamento.

Por fim, o susto veio dia 28 de maio, quando uma falha na linha de transmissão bipolo – direta, sem interferências pelo caminho – que liga a usina de Belo Monte (PA) a Estreito (SP) deixou estados de todas as regiões do país sem luz por cerca de meia hora.

No entanto, o risco de apagão é mínimo.

Apesar do sinal de alerta piscando intensamente, os especialistas afirmam que o risco de apagão é mínimo. Afinal nossa matriz elétrica evoluiu e ficou mais diversificada desde 2001. A energia das hidrelétricas que representava cerca de 90% do total, agora responde por 64% da energia gerada no país. Nesse sentido, as termelétricas construídas fornecem segurança ao sistema.  Além disso, estão previstos R$ 360 bilhões de investimentos privados para reduzir a participação hidrelétrica até 48% na próxima década.

É interessante notar a complementariedade entre as fontes de energia. Afinal, entre junho e setembro, na época de seca, é também o período que mais venta no país. O país pode expandir sua geração renovável de maneira barata, aproveitando as sinergias.

Além disso, o sistema interligado evoluiu e cresceu. Hoje o sistema elétrico conta com mais de 160 mil quilômetros de linhas de transmissão e cresce cerca de 12 mil quilômetros todos os anos. Assim, o equilíbrio entre geração e consumo nas diferentes regiões do país pode ser alcançado de forma mais eficiente e flexibilidade. Incluindo a energia importada da Argentina e Uruguai.

 

Mas a conta será cara!

O problema é que o acionamento destas térmicas custa caro, e o ônus recai sobre o consumidor na conta de energia. Durante o mês de junho, está em vigência a bandeira tarifária vermelha 2, a mais cara do sistema. A expectativa é que isto perdure até o fim do ano.

Em maio, o Brasil estava sob bandeira vermelha 1, que cobra um adicional de R$ 4,16 a cada 100 kW/h utilizados. Com a revisão da bandeira vermelha para o patamar 2, passamos a pagar R$ 6,24 a mais a cada 100 kW/h consumidos. Essa medida deve valer até o fim do ano. Os quatro primeiros meses do ano haviam sido de bandeira amarela.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o custo da energia no país chegou a 7,27% no acumulado de 12 meses até maio. Considerando a prévia da inflação, medida pelo IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15). A tendência é acelerar nos próximos meses com o encarecimento da conta de luz.

Economize com energia solar distribuída.

A geração fotovoltaica distribuída segue seu crescimento em todo o país. Já são mais de 631 mil consumidores brasileiros dispersos em 5.311 municípios em todos os estados gerando sua própria energia. A capacidade instalada está próxima dos 6GW com as 496 mil instalações fotovoltaicas.

Afinal, os consumidores podem gerar sua própria energia e economizar na sua conta de luz. Além disso, ajudam a economizar o uso de água e energia hidrelétrica.

A adesão à energia solar deve avançar com a oferta de energia solar por assinatura por empresas como a SUNWISE. A SUNWISE dispõe de dezenas de fazendas solares no estado de Minas Gerais e oferece descontos na conta de energia para centenas de consumidores residenciais, comerciais e industriais.

Economias, sem investimentos, sem intervenções/obras locais, sem fidelidade ou multas contratuais. Aproveite os últimos lotes de fazendas solares disponíveis. Dessa forma, você se protege dos aumentos das bandeiras tarifárias e ainda colabora com a comunidade e com a sociedade. Tudo muito simples e fácil, afinal todo o processo é digital.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes