Prepare-se para o aumento da conta de luz em dezembro

Aneel anunciou bandeira vermelha – patamar 2 em dezembro, que representa um adicional tarifário de R$ 6,24443 a cada 100kWh consumido no mês

A Aneel, Agência Nacional de Energia Elétrica, decidiu reativar o sistema de acionamento das bandeiras tarifárias a partir do dia 1º de dezembro. O impacto sobre o orçamento das famílias será alto. A bandeira que vai vigorar é a mais cara, isto é, vermelha patamar 2, que representa um adicional tarifário de R$6,243 a cada 100 kWh consumido por mês.

 

Aneel antecipa retorno das bandeiras tarifárias. Atente-se para o aumento da sua conta de luz já em dezembro

O que são as bandeiras tarifárias?

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Desde o ano de 2015, as contas de energia passaram a trazer uma novidade: o Sistema de Bandeiras Tarifárias. Dessa forma, tem-se as seguintes modalidades: verde, amarela e vermelha –   as mesmas cores dos semáforos –  e indicam se haverá ou não acréscimo no valor da energia a ser repassada ao consumidor final, em função das condições de geração de eletricidade.

Cada modalidade apresenta as seguintes características:

  • Bandeira verde: condições favoráveis de geração de energia. A tarifa não sofre nenhum acréscimo;
  • Bandeira amarela: condições de geração menos favoráveis. A tarifa sofre acréscimo de R$ 0,01343 para cada quilowatt-hora (kWh) consumidos;
  • Bandeira vermelha – Patamar 1: condições mais custosas de geração. A tarifa sofre acréscimo de R$ 0,04169 para cada quilowatt-hora kWh consumido.
  • Bandeira vermelha – Patamar 2: condições ainda mais custosas de geração. A tarifa sofre acréscimo de R$ 0,06243 para cada quilowatt-hora kWh consumido.

Como as bandeiras tarifárias impactam sua conta de luz?

Desde maio deste ano, em virtude da pandemia do novo coronavírus, a agência havia decidido manter a bandeira verde acionada até 31 de dezembro, mas a queda no nível de armazenamento nos reservatórios das hidrelétricas e a retomada do consumo de energia obrigaram a agência a reativar o seu sistema de bandeiras.

Dessa forma, uma conta de luz de uma residência com consumo de 100kWh atendido pela CEMIG em Minas Gerais apresentava um custo de cerca de R$ 91,98 na bandeira verde passa para R$ 101,27, incluindo os impostos presentes na tarifa. Ou seja, um aumento de 10,1%, que pesa no orçamento já apertado das famílias brasileiras.

O acionamento da bandeira vermelha nas contas de luz em dezembro vai ter impacto de 0,40 ponto percentual no IPCA deste mês. Dessa forma, o índice oficial de inflação deve chegar a 4,13% em 2020, ligeiramente superior a meta de 4%. Vale destacar que a meta de inflação tem tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

 

Conta de luz é um dos componentes importantes da cesta de produtos e serviços que compõem o índice de inflação oficial IPCA

Qual o motivo para esse aumento da conta de luz agora?

A decisão de voltar a acionar o mecanismo é consequência da piora do nível dos reservatórios e do aumento do preço da energia elétrica.

Primeiramente, na semana passada, o ONS, Operador Nacional do Sistema, apontou que a carga de energia do Brasil deverá aumentar 4,4% em dezembro e projetou chuvas nas regiões das hidrelétricas abaixo da média histórica para o mês.

Esse desequilíbrio já está presente no preço. Mais precisamente, o Preço de Liquidação das Diferenças, alcançou o teto em todos os submercado. De fato, as condições de armazenamento das usinas hidrelétricas são especialmente severas nas regiões Sudeste/Centro-Oeste e Sul do país, mesmo com despacho térmico a plena carga e a importação de energia da Argentina e do Uruguai.

Nesse sentido, nas ultimas semanas, o ONS vem despachando um número maior de usinas termelétricas, incluindo as mais caras. Dessa forma, o Custo Marginal de Operação atingiu a casa de R$ 744/ MWh, o maior patamar do ano.

 

O que você pode fazer para se proteger desses aumentos?

O primeiro passo é buscar evitar o desperdício de água e energia. Para aqueles que já adotaram as práticas de consumo consciente e buscam outras opções, surge agora a opção de gerar sua própria energia elétrica. Mais de 425 mil consumidores brasileiros já adotaram a energia solar distribuída. Essa decisão está ainda mais fácil devido a oferta de energia solar por assinatura, que permite adesão a fazendas solares que geram créditos e reduzem sua conta de luz. Tudo isso, sem a necessidade de investimentos diretos na compra e instalação de placas fotovoltaicas em seu telhado.

Enfim, todos somos consumidores de energia elétrica no conforto de nossos lares e no ambiente de trabalho. Todos seremos impactados pelos aumentos de tarifa da conta de luz. Precisamos estar atentos para os temas de consumo sustentável e formas interessantes de gerar nossa própria energia elétrica.

 

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes